Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Rodrigues dos Santos quer CDS com novos protagonistas e sem "sombra dos equívocos do passado"

Presidente do CDS salientou que o partido tem uma "agenda centrada nas prioridades" para o país.
Lusa 20 de Setembro de 2020 às 16:46
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos FOTO: Lusa
O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, salientou este domingo que quer "um novo partido popular", renovado e com "novos protagonistas", sem a "sombra dos equívocos do passado" e seja "capaz de recuperar a relevância eleitoral".


"Eu quero um novo partido popular, novo porque precisa de novos protagonistas e de uma renovação, novo sem a sombra dos equívocos do passado, novo capaz de renovar a sua marca e a sua identidade", afirmou.

Francisco Rodrigues dos Santos encerrou este domingo a escola de quadros da Juventude Popular (JP), que decorreu deste sexta-feira em Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, momento que assinalou também a 'rentrée' política do CDS.

No seu discurso, o líder defendeu que o partido deve ser "novo no estilo e na atitude ética na política de ser, estar e de se relacionar com os portugueses, e popular porque quer um projeto com alma e raízes profundas na sociedade portuguesa, capaz de recuperar a relevância eleitoral".

Apontando que a morte do CDS já foi sentenciada "tantas vezes", Francisco Rodrigues dos Santos considerou que "mais depressa acabou a coerência das pessoas que o enunciaram", dado que os centristas renascem "sempre mais fortes" e "têm futuro".

"Popular porque é o partido das pessoas, comprometido com as soluções para os seus problemas, popular porque é o partido dos portugueses, de todos e não de apenas de alguns" e que "está próximos das gentes, radicado na matriz de valores portugueses, que respeita as suas tradições e que quer responder aos portugueses e a Portugal", elencou.

Francisco Rodrigues dos Santos adiantou igualmente que "o CDS trabalhará intensamente para conseguir três objetivos".

"Quer se útil a Portugal e aos portugueses, pretende pensar o país à direita, dispensando estas histerias de nichos à volta do radicalismo e do extremismo e quer apresentar boas soluções e boas respostas para Portugal a curto, médio e longo prazo", frisou.

O presidente salientou também que o partido tem uma "agenda centrada nas prioridades" para o país, e que "este é o momento de o CDS não ter dúvidas quanto ao seu caminho".

Sobre a escola de quadros, o democrata-cristão, que foi líder da Juventude Popular antes de ser eleito presidente do CDS, considerou que a estrutura que representa os jovens "deu um exemplo ao país" na forma como organizou o evento, mesmo "sob fortes medidas de segurança e saúde pública".

Francisco Rodrigues dos Santos advogou que os "direitos políticos devem ser exercidos com responsabilidade" e "não com eventos megalómanos, de supertransmissão de covid, colocando em risco a saúde de Portugal".

"Isto não é um ajuntamento na Quinta da Atalaia, isto é a escola de quadros, sob fortes medidas restritivas, respeitando os sacrifícios dos portugueses e provando que é possível em tempos de pandemia fazer política com responsabilidade e sentido social", sublinhou, contrapondo com a Festa do Avante!, a 'rentrée' organizada pelo PCP.

Por isso, a JP conseguiu mostrar "como é que se faz", observou o líder do CDS, que entrou na sala com uma máscara igual às que foram distribuídas aos 'alunos' da escola de quadros.

Francisco Rodrigues dos Santos CDS Juventude Popular política
Ver comentários