Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Rui Rio atribui derrota nas eleições a críticos e sondagens

Presidente do PSD culpa críticas internas e estudos de opinião pela derrota nas eleições legislativas.
António Sérgio Azenha 7 de Outubro de 2019 às 08:44
A carregar o vídeo ...
Presidente do PSD culpa críticas internas e estudos de opinião pela derrota nas eleições legislativas.
Rui Rio deixou este domingo claro que a derrota do PSD resultou muito da instabilidade interna criada pelos críticos da direção e dos resultados das sondagens.

Com os resultados a apontarem para que o PSD tenha 28%, um resultado inferior aos 28,7% obtidos na liderança de Pedro Santana Lopes em 2005, Rio afirmou que esta "não é a grande derrota que se previa e alguns desejavam". O líder social-democrata deixou também claro que vai assumir o cargo de deputado na Assembleia da República e que não irá colocar o seu lugar à disposição.

"O PSD não atingiu o seu principal objetivo, que era ter mais um voto e mais um deputado do que o PS, mas este resultado é positivo", afirmou Rio. Daí que, para o líder social-democrata, "o PSD deu, nestas eleições, um passo em frente para recuperar a confiança dos portugueses".

Sendo o líder do partido, Rio assumiu ter responsabilidades pelo resultado, mas atribuiu as principais culpas aos críticos internos, às sondagens, com a atribuição de sucessivos maus resultados ao PSD, e ao crescimento económico.
Alternativa de Governo

Mesmo com o partido a obter o pior resultado em eleições legislativas, Rio considera que "o PSD é a única alternativa para o Governo ao PS". Tendo em conta que a coligação entre o PSD e o CDS-PP obteve 36% nas Legislativas em 2015, Rio defendeu que "o PSD praticamente repetiu o resultado de 2015", admitindo-se que o CDS-PP valia 8% na altura. Por isso, "a vitória do PS não foi assim tão grande", frisou.

Rio não excluiu a possibilidade de o PSD apoiar algumas medidas do Governo de António Costa, em particular se estiveram em causa reformas importantes. Quanto ao médio prazo, o líder considerou que as próximas eleições autárquicas são estratégicas para o partido.

"Culpa dos partidos"
Carlos Moedas classificou a elevada abstenção como responsabilidade dos partidos. "A culpa é sempre dos partidos, nunca das pessoas. Há necessidade de captar as pessoas para a vida política", diz o ex-comissário europeu.

SAIBA MAIS
81
deputados foi o resultado do PSD nas primeiras eleições democráticas, a 25 de abril de 1975. Votaram no PSD mais de 1,5 milhões de portugueses.

Orçamento de 2,1 milhões
No orçamento do PSD para o corrente ano estão inscritos 2,1 milhões de euros para despesas com a campanha nas eleições legislativas. O partido recebe 4,5 milhões de euros de subvenções estatais e tem 600 mil euros de quotizações dos seus militantes. Recebeu ainda donativos de 95 mil euros.

FRASES DA NOITE
- "Não houve uma grande derrota"
- "O PSD deu um passo em frente para conquistar a confiança dos portugueses"
- "Tivemos uma permanente instabilidade dentro do partido"
- "Acho que o PSD tem de olhar muito a sério para as autarquias"
- "Não há tabu... o Rui Rio pondera (os resultados)"
- "Vou assumir o lugar de deputado"
Rui Rio, presidente do PSD
Rui Rio PSD Rio PS Governo de António Costa CDS-PP política partidos e movimentos eleições eleições locais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)