Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Investigada descarga poluente no rio Douro em Vila Nova de Foz Côa

Imagens de poluição captadas por telemóvel foram depois difundidas nas redes sociais.
Tiago Virgílio Pereira 15 de Julho de 2019 às 08:35
Descarga ilegal foi feita entre o barco e o cais do Pocinho, em Vila Nova de Foz Coa
Rio Douro
 Projeto para promoção da Via Navegável do Douro está estimado em 75 milhões de euros
Descarga ilegal foi feita entre o barco e o cais do Pocinho, em Vila Nova de Foz Coa
Rio Douro
 Projeto para promoção da Via Navegável do Douro está estimado em 75 milhões de euros
Descarga ilegal foi feita entre o barco e o cais do Pocinho, em Vila Nova de Foz Coa
Rio Douro
 Projeto para promoção da Via Navegável do Douro está estimado em 75 milhões de euros
Um navio-hotel terá feito uma descarga poluente no rio Douro, no final de junho. A Polícia Marítima está já a investigar. O processo está em fase de instrução mas, a confirmar-se, poderá resultar uma contraordenação ou até um processo-crime.

Este domingo, ao Correio da Manhã, o presidente da câmara de Vila Nova de Foz Coa mostrou estar preocupado. "Estamos a acompanhar a investigação e vamos estar mais atentos, pois há cada vez mais barcos a operar na nossa região", esclareceu Gustavo de Sousa Duarte.

O caso foi espoletado depois de um utilizador do cais ter filmado com um telemóvel uma espuma branca que parecia ser expelida pelo barco. No vídeo, que foi difundido nas redes sociais, é também possível ver uma mancha acastanhada que aparece à tona da água, entre o barco e o cais do Pocinho, em Vila Nova de Foz Coa. "Despejos para o rio são recorrentes, mas não com esta dimensão. Nesse dia o cheiro era insuportável", contou o homem ao ‘Público’.

Ao mesmo jornal, a representante da marca do barco em Portugal garantiu que os navios são construídos com ETAR e que não atiram nada para o rio. Já o autarca de Foz Coa explicou ao CM que "mal teve conhecimento do vídeo ligou para a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo e para a Agência Portuguesa do Ambiente, que já tinha conhecimento do caso".

Gustavo de Sousa Duarte disse ainda ter sido a primeira vez que ouviu falar de uma descarga desta natureza no rio Douro mas prometeu mais vigilância. "Sei que a empresa em causa foi também notificada e vamos aguardar pelos resultados", concluiu.
Ver comentários