Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Nova praça de Espanha vai ter jardim gigante e menos carros

Obras arrancaram ontem e implicam condicionamentos à circulação automóvel. Investimento é de 15 milhões.
João Saramago 14 de Janeiro de 2020 às 08:55
Avenidas dos Combatentes e António Augusto de Aguiar com ligação direta nos dois sentidos
Lago terá ligação a ribeiro
Ciclovia une praça a avenida dos Combatentes
Trânsito cortado na ligação exterior à Av. dos Combatentes
Avenidas dos Combatentes e António Augusto de Aguiar com ligação direta nos dois sentidos
Lago terá ligação a ribeiro
Ciclovia une praça a avenida dos Combatentes
Trânsito cortado na ligação exterior à Av. dos Combatentes
Avenidas dos Combatentes e António Augusto de Aguiar com ligação direta nos dois sentidos
Lago terá ligação a ribeiro
Ciclovia une praça a avenida dos Combatentes
Trânsito cortado na ligação exterior à Av. dos Combatentes
Lisboa ganha até final do ano um novo pulmão verde com a criação do Parque Urbano da praça de Espanha. A zona verde terá mais de 6 hectares – superior ao Jardim da Estrela –, num investimento estimado em cerca de 15 milhões de euros. A concretização da obra obriga a que o trânsito fique condicionado. Foi realizado o primeiro corte esta segunda-feira, no acesso exterior da avenida Calouste Gulbenkian à avenida dos Combatentes.

"O momento mais crítico em relação à circulação automóvel é o início, porque é um momento em que tem de haver a adaptação de aqueles que, todos os dias entram e saem da cidade de Lisboa, e em que há uma necessidade de adaptação por parte dos automobilistas", disse o presidente da câmara, Fernando Medina. 


O jardim terá um lago, com ligação ao ribeiro que hoje está encanado. Também está prevista a ligação ao jardim da Fundação Calouste Gulbenkian através de uma ponte pedonal. A estação do metro (Praça de Espanha) será modernizada. O projeto estabelece ainda o fim da ligação entre a avenida Columbano Bordalo Pinheiro e a Calouste Gulbenkian, bem como a ligação pelo interior da praça desta última avenida com a dos Combatentes.

Nestes espaços o alcatrão dará lugar ao relvado de acesso à área do Arco de São Bento. Fernando Medina explicou que "após a conclusão da obra a circulação automóvel vai funcionar melhor, com circuitos mais fluidos nas ligações diretas à avenida de Berna, avenida Calouste Gulbenkian e avenida dos Combatentes, à avenida António Augusto Aguiar". Por sua vez, a Columbano Bordalo Pinheiro terá ligação à Santos Dumont.
Ver comentários