Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Têxteis de Famalicão exportam 474 milhões

Indústria concelhia representa mais de 9% das exportações do setor em Portugal.
24 de Janeiro de 2019 às 08:53
Produtos do setor têxtil famalicense de aplicação técnica registaram um franco crescimento entre 2013 e 2017
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
Produtos do setor têxtil famalicense de aplicação técnica registaram um franco crescimento entre 2013 e 2017
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
Produtos do setor têxtil famalicense de aplicação técnica registaram um franco crescimento entre 2013 e 2017
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
Câmara Municipal de Guimarães
A indústria têxtil de Vila Nova de Famalicão é responsável por 9,1 por cento das exportações do setor em Portugal, com 474 milhões de euros de vendas para o exterior registadas em 2017, indicou esta quarta-feira o município, citando o último anuário do Instituto Nacional de Estatísticas. De acordo com a autarquia, o têxtil assegurou, naquele ano, quase um quarto (23,7%) do total das exportações do concelho.

Os principais mercados de exportação dos têxteis famalicenses são Espanha (21%), Alemanha (16,5%) e França (12%). A autarquia, liderada por Paulo Cunha, salienta "a performance exportadora" dos têxteis de aplicação técnica, com um crescimento superior a 24% entre 2013 e 2017.

"Estes dados confirmam a importância das empresas têxteis famalicenses para a robustez desta atividade económica no País", conclui a autarquia da autodenominada ‘Cidade Têxtil de Portugal’. A indústria têxtil e do vestuário conta, em Vila Nova de Famalicão, com 827 empresas e regista 11 245 pessoas ao seu serviço.

Os números agora conhecidos refletem a importância do concelho, numa altura em que o setor têxtil tem sofrido, no Vale do Ave, com a deslocação para outros mercados de um volume importante de encomendas da espanhola Inditex (dona da Zara, entre outras marcas).

Este facto levou já Paulo Vaz, diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, a sublinhar ao CM a necessidade de as empresas desta região procurarem vários clientes e não estarem dependentes de apenas um ou dois - o que poderá levar ao fecho de empresas ou ao despedimento de funcionários.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)