Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

UAlg atrai estrangeiros mesmo com pandemia

500 alunos de outros países já se inscreveram este ano para estudar na instituição.
Diana Santos Gomez 28 de Outubro de 2020 às 08:55
Universidade algarvia continua a ser a instituição de Ensino Superior público que recebe mais alunos estrangeiros
Universidade algarvia continua a ser a instituição de Ensino Superior público que recebe mais alunos estrangeiros FOTO: André Guerreiro
Cerca de 500 estudantes estrangeiros realizaram as primeiras inscrições para frequentar a Universidade do Algarve (UAlg) este ano letivo, apesar da pandemia, apurou o CM. Estes números voltam a colocar esta instituição do Ensino Superior público na liderança nacional, proporcionalmente no que respeita ao maior número de alunos do exterior. O CM sabe que este ano a UAlg tem um total de 8500 estudantes inscritos, sendo que 950 são de nacionalidade brasileira.

Paulo Águas, reitor da UAlg, afirmou ao CM que a "excelente investigação cotada em rankings internacionais", aliada à "qualidade de vida", torna a universidade algarvia mais atraente. De acordo com os dados da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC), nos últimos dois anos letivos frequentaram a instituição mais 132 alunos provenientes de outros países. Um número que se traduz num crescimento de quase 8% desde 2018. Este estabelecimento de Ensino Superior recebeu, no passado ano letivo, 1856 estudantes do exterior, face aos 1724 que deram entrada em 2018/19. Em relação às nacionalidades, o destaque vai para os alunos brasileiros. Os mesmos representam quase metade dos estudantes do exterior, registando uma subida de 714 para 862 em 2019/20. Desta forma, os alunos de nacionalidade brasileira representam quase 11% do total dos estudantes.

Os cursos mais procurados são Psicologia, Informática, Economia e Biologia Marinha. A maioria dos alunos optam por fazer um ciclo de estudos com licenciatura, mestrado e doutoramento. Paulo Águas garante que a instituição está "preparada para a pandemia".
Ver comentários