Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

GNR que atingiu marido da amante a tiro condenado a pena suspensa

Bruno Cardoso, de 36 anos, feriu o rival numa perna.
Tiago Virgílio Pereira 13 de Julho de 2020 às 15:12
GNR
GNR FOTO: Natália Ferraz

O militar da GNR disparou um tiro sobre um rival que o tinha agredido por várias vezes a murro e pontapé, por causa de uma mulher, em Carregal do Sal foi condenado a uma pena suspensa de ano e meio de prisão esta segunda-feira. O rival foi condenado pelo crime de ofensas à integridade física, também no Tribunal de Viseu, a um ano e 10 meses de prisão, com pena suspensa.

A história destes três arguidos terá começado quando a mulher, de 38 anos, apresentou no posto da GNR de Nelas queixa de violência doméstica contra o ex-marido, Luís Anjos, de 37.  

Desde aí, Bruno Cardoso, militar da GNR que tomou conta do expediente, trocou nos meses seguintes mensagens e encontrou-se com a mulher, com quem chegou a ter um relacionamento. Luís, que tem um histórico de conflitos com a GNR, nunca aceitou.

O GNR Bruno Cardoso, de 36 anos, estava de folga quando a 22 de janeiro de 2018 se encontrou com Márcia Loureiro junto à capela da Senhora dos Milagres, em Laceiras, Carregal do Sal.

Nesse momento, apareceu Luís Anjos, que à data era marido de Márcia, desconfiado de uma traição e que por isso instalou um dispositivo de georreferenciação que facilmente lhe permitiu saber a localização do carro da mulher.

"Luís foi direto ao militar. Agarrou-lhe pela camisola e desferiu-lhe vários murros na zona da cabeça e depois por todo o corpo", diz a acusação, a que o CM teve acesso.

Na tentativa de salvar o amante, Márcia foi ao carro do GNR buscar uma glock de calibre 9 milímetros que este havia comprado para defesa pessoal. Já com a pistola na mão, Bruno efetuou um disparo que atingiu Luís Anjos numa perna.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)