Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência

Episódio aconteceu em Lagoa. Agressores, pai e filho, foram libertados depois de terem sido presentes a tribunal.
Rui Pando Gomes 30 de Março de 2020 às 16:31
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Militar da GNR agredido com garrafa ao tentar terminar festa durante Estado de Emergência
Um militar da GNR, de 28 anos, foi agredido com uma garrafa na cabeça na noite de sábado quando tentava acabar com uma festa brasileira e impor o recolhimento obrigatório em Carvoeiro, Lagoa.

Segundo o que o CM conseguiu apurar, as autoridades foram chamadas por causa do ruído e quando o militar tentou entrar na casa onde decorria a festa, em pleno Estado de Emergência, foi agredido.

A vítima, pertencente ao posto da GNR de Carvoeiro teve de ser encaminhado para um hospital e levou quatro pontos na zona da testa.

Os agressores, filho e pai de 23 e 40 anos, foram detidos depois de terem sido acionados reforços. Presentes a tribunal esta segunda-feira, foram libertados. 

Ao CM, António Barreira, da Associação Profissional da Guarda referiu que "foi o Estado português que foi agredido e este caso envergonha todos os portugueses. São necessárias medidas mais dissuasoras para que não aumente o sentimento de impunidade".

Esta madrugada também foram detidas mais duas pessoas em Lagoa por resistência à autoridade.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)