Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

PSP alega que agente foi agredido e empurrado durante detenção de mulher na Amadora

Fonte policial avança que mulher "mordeu várias vezes o agente", obrigando ao uso da força.
Sérgio A. Vitorino 20 de Janeiro de 2020 às 17:06
Mulher queixa-se de ter sido agredida pela PSP na Amadora
Mulher queixa-se de ter sido agredida pela PSP na Amadora
Mulher queixa-se de ter sido agredida pela PSP na Amadora

Uma mulher acusa a PSP do Casal de São Brás, Amadora, de a ter detido e espancado em frente à filha de 8 anos, domingo ao início da noite, após um desentendimento com um motorista de autocarros. A Direção Nacional da PSP diz que a mulher empurrou várias vezes o polícia, que foi ainda pontapeado e empurrado por outras pessoas que estavam no autocarro.

Cláudia Simões, que esta segunda-feira à tarde ainda estava internada no Hospital Amadora-Sintra, regressava, conta uma amiga nas redes sociais, a casa na Falagueira com a filha quando, já no autocarro, deram conta que a menor se havia esquecido do passe para o transporte. 

O motorista terá chamado um PSP que estava em patrulha naquela rua, uma vez que a mulher se recusava "proceder ao pagamento da utilização do transporte da sua filha, e também pelo facto de o ter ameaçado e injuriado". "A cidadã, de imediato e sem que nada o fizesse prever, mostrou-se agressiva perante a iniciativa do Polícia em tentar dialogar, tendo por diversas vezes empurrado o Polícia com violência, motivo pelo qual lhe foi dada voz de detenção. A partir desse momento, alguns outros cidadãos que se encontravam no interior do transporte público tentaram impedir a ação policial, nomeadamente pontapeando e empurrando o Polícia", descreve a direção nacional.

"O Polícia, que se encontrava sozinho, para fazer cessar as agressões da cidadã detida, procedeu à algemagem da mesma, utilizando a força estritamente necessária para o efeito face à sua resistência", descreve. Em vídeos publicados nas redes sociais é visivel uma luta entre Claúdia Simões e o agente, numa paragem de autocarro, que termina com o polícia a manietar a mulher, em frente à filha desta.

"Salienta-se, que a mesma, para se tentar libertar, mordeu repetidamente o Polícia, ficando este com a mão e o braço direitos com marcas das mordidelas que sofreu e das quais recebeu tratamento hospitalar", acusa a PSP. Reforços policiais conseguiram "conter  as pessoas no local e promover a condução da cidadã à Esquadra para formalização da detenção". Foi notificada a comparecer esta terça-feira a tribunal.

A denúncia refere ainda que, na esquadra do Casal de São Brás, os agentes "começam a espancar a mulher, como se de um saco de boxe se tratasse, descarregando toda a raiva e força que possuem". O relato, que em poucas horas atingiu mais de meio milhar de partilhas, refere supostos insultos raciais e que as agressões se prolongaram até a mulher desmaiar. "A cidadã detida, por o ter solicitado, foi pelas 22H conduzida ao Hospital Fernando da Fonseca, tendo tido alta pelas 02H do dia 20 de janeiro. O Polícia foi igualmente assistido no mesmo Hospital", afirma a PSP.

"Hoje [segunda-feira], cerca das 08h00, a cidadã compareceu numa Esquadra de Polícia onde apresentou uma denúncia contra o Polícia que procedeu à detenção qual será comunicada à Autoridade Judiciária competente. Como consequência direta da formalização desta denúncia, a Polícia de Segurança Pública já iniciou a instrução de um processo de averiguações para, a par do processo criminal, proceder à averiguação formal das circunstâncias da ocorrência e de todos os factos alegados pela cidadã", afirma a PSP

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)