Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Atraso da Justiça portuguesa liberta perigoso homicida italiano

Filippo Cristofaro, o 'assassino do catamarã', escondia-se da polícia em Galamares, Sintra.
Sérgio A. Vitorino 23 de Fevereiro de 2017 às 00:00
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
 Filippo Cristofaro, 63 anos, já terá saído da Europa
Consecutivos recursos que atrasaram o processo de extradição levaram a Justiça portuguesa a libertar um perigoso homicida italiano, soube-se ontem.

Filippo Cristofaro, 63 anos, conhecido como o ‘assassino do catamarã’, foi condenado em Itália a prisão perpétua por um homicídio cometido em 1988: a vítima foi a dona de uma embarcação onde Cristofaro embarcou com a namorada, de 17 anos.

Fugiu na primeira liberdade condicional, em 2007, foi recapturado e voltou a escapar em 2014. Acabou preso em maio de 2016, na estação da Portela de Sintra, pela Unidade Nacional Contraterrorismo da PJ. Vivia numa casa sem água e luz em Galamares (Sintra) e tinha um mandado de detenção europeu. Ficou em preventiva para ser extraditado para a Itália. Cristofaro recorreu para o Supremo, que recusou a pretensão.

O italiano recorreu acima, para o Tribunal Constitucional, e fez várias reclamações. Nesse espaço de tempo, esgotaram-se os 150 dias em que podia ficar em preventiva. Foi libertado em outubro da cadeia de alta segurança de Monsanto. Suspeita-se de que já terá saído da Europa.
Ver comentários