Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Avô paga 150 mil euros a neto homicida para abdicar da herança

‘Kid’ Cadilhe abdicou da herança do pai, que matou em 2011.
Nelson Rodrigues 28 de Abril de 2020 às 01:30
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe no tribunal de Vila do Conde em 2012
Manuel Cadilhe, a vítima, tinha tirado a mesada ao filho
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe no tribunal de Vila do Conde em 2012
Manuel Cadilhe, a vítima, tinha tirado a mesada ao filho
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe (à direita na foto) matou o pai com 28 facadas
Miguel Cadilhe no tribunal de Vila do Conde em 2012
Manuel Cadilhe, a vítima, tinha tirado a mesada ao filho

Matou o pai com 28 facadas e com o sangue escreveu o nome deste numa das paredes da casa onde ocorreu o crime, a 9 de novembro de 2011, em Vila do Conde. Miguel Cadilhe, agora com 30 anos, foi condenado, em 2013, a 17 anos de cadeia pelo homicídio de Manuel Cadilhe - conhecido por ser campeão de poker. A família nunca o perdoou e deserdou-o. O avô de Miguel (conhecido por ‘Kid’ Cadilhe) contratou um advogado para pedir a indignidade sucessória do arguido - e desta forma ele não ser herdeiro do pai, que matou -, mas o causídico deixou passar o prazo para interpor essa ação. Este acabou condenado e o avô deu 150 mil € ao neto para abdicar da herança.

De acordo com o acórdão da Relação do Porto, a ação de declaração de indignidade sucessória deu entrada no Tribunal da Póvoa de Varzim em janeiro de 2015 e a 24 de maio de 2016 foi julgada improcedente uma vez que não foi intentada no período de um ano a contar da data da condenação. Conhecedor desta decisão, o advogado omitiu tudo à família e cobrou-lhe 1102 €. O avô do homicida processou o causídico e exigia uma indemnização de 180 mil €. O tribunal condenou-o por violação dos deveres a pagar-lhe 5 mil € por danos não patrimoniais e a devolver os 1102 €.

O acordo entre avô e neto homicida foi celebrado em dezembro de 2016 - já depois de a família saber da ação perdida. Esta foi a forma encontrada pelos avôs paternos para evitar que ‘Kid’ Cadilhe - também jogador de poker - viesse a beneficiar da herança do pai. Manuel Cadilhe, conhecido no jogo de cartas a dinheiro por ‘Neloko’, tinha vários negócios de construção civil em Angola. Miguel matou o pai após este lhe ter cortado a mesada de 500 € - depois de saber que tinha trocado o curso de piloto por engenharia informática.

Vila do Conde Miguel Cadilhe Manuel Cadilhe Kid’ Cadilhe crime lei e justiça tribunal
Ver comentários