Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

"Não há plano de contingência", diz diretor de segurança da academia de Alcochete

Responsável pela segurança na academia ouvido na sétima sessão de julgamento, que decorre no Tribunal de Monsanto.
Tânia Laranjo e Sofia Garcia 2 de Dezembro de 2019 às 09:50
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Ricardo Gonçalves
Bruno de Carvalho à chegada ao Tribunal de Monsanto
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Ricardo Gonçalves
Bruno de Carvalho à chegada ao Tribunal de Monsanto
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Ricardo Gonçalves
Bruno de Carvalho à chegada ao Tribunal de Monsanto
Bruno de Carvalho
A sétima sessão do julgamento da invasão da Academia do Sporting em Alcochete decorre esta segunda-feira no Tribunal de Monsanto. Bruno de carvalho, que disse não ter dinheiro para ir a tribunal, chegou num BMW série 5, acompanhado pelo seu advogado.

No dia em que o responsável pela segurança na academia chega ao Tribunal de Monsanto, Bruno de Carvalho regressa para ouvir o seu testemunho. É um dos momentos chaves deste processo, depois de Bruno Jacinto, que faz a ligação com as claques, ter dito que avisou Ricardo Gonçalves para a iminência do ataque.

Diversos elementos policiais deram conta que quando chegaram a academia foram proibidos de entrar, embora ainda se encontrassem atacantes no interior do espaço.

Acompanhe ao minuto:

17h42 -
Ricardo Gonçalves diz ainda que Jorge Jesus foi agredido com um soco na cara, após o ataque aos jogadores, por um arguido que estava em fuga.

17h39 -
Ricardo Gonçalves, diretor de segurança da academia de Alcochete diz que a academia não está preparada para este tipo de ataque. "A academia não tem plano de contingência para um ataque como este".

17h00 -
Bruno de Carvalho mostrou-se exaltado em tribunal.

16h14 -
Bruno Jacinto não evitou ataque a Alcochete: Ricardo Gonçalves, na altura diretor de segurança da academia, diz que quando aconteceu o ataque suspeitou que Jacinto soubesse mais do que o que disse no dia 15 de maio de 2018. "Desconfiei que ele sabia mais do que o que disse na altura. Perguntei-lhe como soube e disse que tinha sido avisado pelo Bocas (Tiago Silva)", disse em tribunal.

14h52 -
Retomada a sessão de julgamento.

12h55 -
A sessão foi interrompida para hora de almoço.

12h35 -
"Se fosse hoje, não faria o mesmo. Não daria autorização para o BMW entrar na Academia para levar o grupo de Fernando Mendes", avança Ricardo Gonçalves ao coletivo de juizes.

O diretor de segurança da Academia diz que só queria que o grupo de Fernando Mendes saísse dali e que "aquilo acabasse".

12h11 -
Bruno de Carvalho levantou-se para bater no vidro da sala dos arguidos e chamar o advogado. Foi chamado à atenção pela funcionária judicial.

11h51 -
Na véspera do ataque a Alcochete, no dia 14 de Maio, Bruno de Carvalho reuniu com o Staff, avançando que precisava de saber naquele momento quem estava com ele "acontecesse o que acontecesse", disse Ricardo.

11h46 -
Bruno de Carvalho pediu ao tribunal para se sentar nas cadeiras da frente, na sala de arguidos, porque ouvir melhor e poder ver bem a testemunha, Ricardo Gonçalves, que quer confrontar com questões. A juíza não abriu exceção porque os arguidos são obrigados a sentar-se por números e Bruno de Carvalho tem de sentar-se no último banco da sala dos arguidos.

11h06 - 
Após as agressões, um dos indivíduos olhou para o relógio e deu a ordem: "Temos de ir embora, temos de ir embora". Deu ordem para dispersar e todos saíram a correr.

11h05 -
"Vi tochas a serem deflagradas. Vi Jesus a ser agredido. Durante a fuga dos homens, um deles passou e deu-lhe um soco na cara".

11h00 -
Dirigi-me ao Valter e ao Bocas para pararem e que a GNR vinha aí, mas não paravam. Eles foram ter com o Acuña e o Battaglia e focaram-se neles, num canto. Recordo-me de empurrões e de socos".

"Proferiam ameaças como: "Vou-te matar"; "Não vales nada"; "Não vão sair daqui vivos". Via-se que os alvos principais eram o Acuña e o Battaglia.

10h56 -
"Quando conseguiram chegar à zona do vestuário estava lá Vasco Fernandes. O técnico adjunto Raul José disse: "Não feches a porta que o homem ainda está lá fora", referindo-se a Jorge Jesus. Foi nesse momento de hesitação que Vasco Fernandes não fechou a porta a tempo. Os adeptos afastaram Vasco e entraram. A maioria".

"Abordaram os jogadores, vi uma geleira pelo ar, os depósitos de 25 litros e o grupo junto aos jogadores a empurrá-los e soqueá-los".

10h47 -
"Entraram cerca de 50 pessoas. Fui ter com eles junto ao Estádio Aurélio Pereira, um campo, tentei demover o grupo mas ameaçaram-me". Disseram-me: "Sai da frente, isto não é contigo. Se não, também levas", contou.

"O grupo continuou a correr em direção ao campo onde estava Jorge Jesus e a equipa técnica a preparar o treino. Como não estavam lá jogadores, foram em direção ao edifício da ala profissional. Eu avisei que já tinha chamado a GNR. Queriam claramente os jogadores. Cada porta que encontravam tentavam forçar e perguntavam onde estavam os jogadores".

10h46 -
"A informação da ida dos adeptos não correu pelas vias normais. Foi muito em cima da hora e não me deixou tempo para acautelar  a ida. Normalmente eu era avisado um dia antes, ou pelo menos na manhã daquele dia, que a visita ia acontecer à tarde. Diziam-me que pessoas vonham, com o líder ou sem ele", avançou Ricardo Gonçalves.

10h30 -
André Geraldes foi avisado duas vezes do ataque, quando estava reunido com Bruno de Carvalho.

10h18
- Ricardo Gonçalves confirmou que soube com antecedência do ataque à Academia de Alcochete. Foi avisado telefonicamente pelo Bruno Jacinto, 12 minutos antes.

"Ele ligou me e disse que um grupo de adeptos da Juve Leo ia à academia para falar com os jogadores mas não entrou em detalhes. Perguntei quantos eram mas não obtive resposta", avançou o responsável pela segurança na academia.

09h30 - À entrada, Bruno de carvalho, que é acusado de 98 crimes na sequência do ataque em Alcochete, recusou falar aos jornalistas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)