Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Casa de coronel do Exército morto durante assalto estava remexida

Vítima era comendadora da Ordem Militar de Avis.
Sérgio A. Vitorino 12 de Setembro de 2020 às 09:48
Vítimas residiam no terceiro andar deste prédio num bairro pacato de Cascais
Vítimas residiam no terceiro andar deste prédio num bairro pacato de Cascais FOTO: Adriano Chaves/CMTV
A casa do coronel Mário Pinto Rodrigues de Almeida, de 90 anos, e da mulher, Maria Isabel Mira, de 88, estava toda remexida. Móveis e gavetas abertos. O corpo do militar do Exército na reforma jazia no chão da sala, com evidentes marcas de agressão a murro e pontapé. A PJ continuava ontem à procura da dupla de ladrões que matou o comendador da Ordem Militar de Avis e deixou ferida a mulher.

Segundo apurou o CM junto de fontes policiais, o homicídio, quarta-feira à tarde no terceiro andar de um prédio de um bairro pacato de Cascais, não terá sido cometido com o uso de armas brancas ou de fogo.

O coronel, nascido na Guarda em fevereiro de 1930, terá tentado defender a mulher, após terem aberto a porta aos dois assaltantes julgando tratarem-se de técnicos de uma empresa que contrataram para mudar a fechadura. Maria Isabel, natural de Évora e antiga professora, foi fechada na casa de banho e ontem ainda estava internada no Hospital de Cascais. Terão sido levadas joias e dinheiro. Estavam casados há 64 anos.

O alerta foi dado, a um sobrinho do casal (não têm filhos), pela fisioterapeuta de Maria Isabel Mira. Ninguém lhe atendeu à porta, o que não era comum. Foi a PSP e os bombeiros a encontrarem o corpo.

Mário Pinto Rodrigues de Almeida frequentou o Colégio Militar e a Escola do Exército. Tem 14 louvores e condecorações, na Índia, Angola e outros, com destaque para o grau de comendador da Ordem Militar de Avis e a medalha D. Afonso Henriques.
Ver comentários