Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Copia 203 cartões de turistas portugueses no Brasil

Clonou em aeroporto brasileiro e veio usá-los em Portugal.
Sérgio A. Vitorino 25 de Novembro de 2019 às 08:22
Rede interbancária 'vinti4' movimentou 69,2 milhões de euros em julho
Cartões
Rede interbancária 'vinti4' movimentou 69,2 milhões de euros em julho
Cartões
Rede interbancária 'vinti4' movimentou 69,2 milhões de euros em julho
Cartões
Pelo menos 203 turistas portugueses no Brasil tiveram os cartões bancários, de crédito e débito, clonados no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, Brasil. O mesmo aconteceu com 1218 cartões de outros países de todo o Mundo. Um dos membros da rede estava em Portugal, instalado na Costa da Caparica, onde fez levantamentos com os dados duplicados de 19 cartões lusos, até ser detido pela PJ de Setúbal a 20 de novembro de 2018.

Segundo a acusação do Ministério Público, a que o CM teve acesso, e pela qual o homem de 48 anos, brasileiro, está agora a ser julgado em Lisboa, os dados clonados dos cartões e respetivos códigos pessoais eram transmitidos pela rede no Brasil ao arguido, que andava entre Portugal e Espanha. Eram gravados por ele nas bandas magnéticas de cartões de hipermercados e gasolineiras e usados em caixas multibanco.

No seu computador tinha "uma aplicação informática própria para efetuar a leitura dos dispositivos de captação dos dados das bandas magnéticas de cartões bancários ea gravação desses dados noutras bandas de outros cartões comuns", descreve o Ministério Público.

A investigação da PJ de Setúbal listou os cartões clonados que se apurou terem sido usados e no julgamento há pedido de indemnização pelos bancos Santander Totta, Activobank e BCP. Entre 7 e 20 de novembro de 2018, fez levantamentos em centros comerciais e zonas turísticas de Lisboa, Costa da Caparica, Setúbal e Sintra.

Tentou centena e meia de operações bancárias, no valor total de 14 860 euros, mas dessas apenas 25 foram aceites pelo sistema bancário, concretizando com efetivo levantamento a quantia de 4700 euros, refere a acusação.

Confessou alguns dos crimes
O alerta à PJ partiu da Paywatch, entidade que, em Portugal, é responsável pela deteção de fraudes com meios de pagamento emitidos por instituições bancárias, e que levou ao cancelamento dos cartões verdadeiros. Quando foi apanhado, o homem tinha cartões clonados e os dados de 1218 outros guardados no computador.

No inquérito, admitiu parcialmente os factos. Está em prisão preventiva por falsidade informática, passagem de moeda falsa e burla informática. O MP pede condenação e expulsão, e proibição de entrada em Portugal.
Ver comentários