Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Derrocada corta estrada em Arouca. Não há registo de vítimas

Incidente deu-se por volta das 23h30 numa área sem habitação situada entre Ponte da Ribeira e Mansores.
23 de Abril de 2019 às 11:09
Derrocada corta estrada em Arouca. Bombeiros procuram vítimas
Bombeiros
Bombeiros
Derrocada corta estrada em Arouca. Bombeiros procuram vítimas
Bombeiros
Bombeiros
Derrocada corta estrada em Arouca. Bombeiros procuram vítimas
Bombeiros
Bombeiros
Um deslizamento de terras em Arouca na segunda-feira à noite deixou a EN326 cortada ao trânsito e, dada a acumulação de material derrocado, ainda não foi possível confirmar a inexistência de vítimas, revelou esta terça-feira o comando local de bombeiros.

O incidente deu-se por volta das 23:30 numa área sem habitação situada entre Ponte da Ribeira e Mansores, perto do acesso à variante para acesso rápido a Arouca (distrito de Aveiro).

"Naquela zona não vive ninguém, que é uma área deserta, mas não podemos dizer com certeza se há vítimas ou não porque, com o monte de terra que ali está, ainda não conseguimos saber se ficou alguém ou algum carro soterrado lá por baixo", declarou à Lusa o comandante dos Bombeiros Voluntários de Arouca, José Gonçalves.

O responsável está, contudo, otimista, devido às características próprias da derrocada: "Como foi um deslizamento, o que costuma acontecer é que, se as terras apanhassem alguém, empurravam as vítimas para baixo, levando-as a escorregar, e elas iam aparecer lá ao fundo, na ponta. Mas aí já verificámos e não encontrámos ninguém".

José Gonçalves ainda não tem explicação para o sucedido, considerando que na segunda-feira "o dia esteve seco" e, mesmo ao final da tarde, não choveu em quantidade suficiente para justificar a derrocada.

O comandante notou, aliás, que "aquela zona sempre foi considerada estável e nunca representou qualquer perigo", mas reconhece que a encosta é constituída sobretudo por "lousa, que é uma pedra mais mole" e sujeita a registar alterações não percetíveis à superfície.

Já a Infraestruturas de Portugal, chamada ao local para avaliar a situação dado que em causa está uma estrada nacional, referiu que o deslizamento foi "provocado pelas fortes chuvadas que se têm feito sentir".

Fonte oficial da empresa pública acrescentou que os seus técnicos "estão a realizar trabalhos de limpeza e de avaliação das condições de estabilidade do talude, sendo que a reabertura ao tráfego só irá ocorrer quando estiverem asseguradas as condições de circulação e segurança".

A presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém, revelou que os serviços municipais de Proteção Civil também estão a acompanhar a intervenção.

O objetivo é que "a situação seja resolvida com a celeridade possível, salvaguardando todas as condições necessárias de segurança".

O comandante José Gonçalves antecipou que a remoção dos detritos seja "um trabalho para demorar, até porque não se pode arrumar a terra para as zonas ao lado e vai ser preciso camiões para a transportar" até aterros noutras localizações.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)