Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Incêndio no Gerês em fase de resolução

Incêndio lavra desde este sábado. Dezenas de operacionais mantêm-se no local.
Lusa 9 de Agosto de 2020 às 19:42
Fogo em Lindoso, no Gerês
Fogo em Lindoso, no Gerês FOTO: Arménio Belo / Lusa
O incêndio, que começou no sábado em Lindoso, em Ponte de Barca, entrou em resolução às 01h45, disse à Lusa fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Pelas 02h12 continuavam no terreno 227 operacionais, apoiados por 73 viaturas, naquela área do Parque Nacional da Peneda-Gerês, de acordo com a página na Internet da ANEPC.

Na segunda-feira, o segundo comandante operacional distrital de Viana do Castelo, Paulo Barreiro, tinha indicado que o terreno era "muito difícil para a progressão" dos operacionais e "para a consolidação do perímetro do fogo".

"É um incêndio que se desenvolve num local de extrema dificuldade, com muita inclinação, rochedos e escarpas, a mais de 800 metros de altitude. [Está] a arder lentamente em cerca de três quilómetros, os trabalhos estão a decorrer favoravelmente, mas não podemos dar o incêndio como dominado", explicou a mesma fonte.

Já do lado espanhol, dados da Junta da Galiza apontam para 400 hectares ardidos.

Foi no combate às chamas em Lindoso que, no sábado, um piloto português morreu e um piloto espanhol ficou gravemente ferido quando o avião 'Canadair' português em que seguiam se despenhou em território espanhol, a cerca de dois quilómetros da fronteira.

O copiloto do avião 'Canadair' está "estável e fora de perigo", revelou fonte do hospital de Braga.


Fogo queimou cerca de 200 hectares no Parque da Peneda-Gerês
O incêndio que lavra desde sábado no Parque Nacional Peneda-Gerês consumiu cerca de 200 hectares, mas os principais esforços de proteção centram-se na Mata do Cabril, disse à Lusa o secretário de Estado da Conservação da Natureza.

"Dentro do território nacional, estamos a falar de uma área entre 150 a 200 hectares de valores ambientais de proteção parcial e complementar", referiu João Catarino, que tem a pasta da Secretaria de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território.

"Estamos a fazer tudo para que não chegue à zona de proteção total que é a Mata do Cabril. Aí, sim, temos enormes valores ambientais. É o 'ex-libris' daquele parque nacional, que é o único que temos", declarou, acrescentando esperar que o incêndio consiga ser neutralizado ainda hoje.

João Catarino indicou que o combate o fogo de Lindoso tem "dificuldade acrescida" por causa do relevo da região, o que tem obrigado a que os esforços sejam essencialmente "manuais, apeados" e com meios aéreos.

O secretário de Estado lamentou a morte do piloto Jorge Jardim, cujo avião de combate às chamas se despenhou no sábado, acidente que provocou ferimentos graves no seu copiloto espanhol.

João Catarino saudou o trabalho das forças de bombeiros, sapadores florestais e do corpo nacional dos agentes florestais.

Na Peneda-Gerês, há cinquenta destes agentes florestais, tutelados pelo Instituto da Natureza e Conservação Florestal, que são "pessoas que vivem no território" e que trabalham durante todo o ano para evitar os incêndios, um modelo que João Catarino defende que deve ser replicado nas outras áreas protegidas.


Ver comentários