Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Governo garante meios aéreos a tempo dos fogos

Ministro da Administração Interna admite recurso a ajuste direto para contratar os 55 aviões e helicópteros prometidos.
João Carlos Rodrigues e Joana de Sales 17 de Abril de 2018 às 01:30
Eduardo Cabrita (ao centro) com o general Mourato Nunes, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita (ao centro) com o general Mourato Nunes, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita (ao centro) com o general Mourato Nunes, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita
O concurso para os meios aéreos tornou-se numa dor de cabeça para o Governo – o primeiro ‘rebentou’ depois de todos os candidatos terem apresentado propostas muito acima do limite imposto e o segundo teve o mesmo desfecho.

Ao mesmo tempo, dos seis Kamov do Estado, apenas três estão em condições de operar, mas os trabalhos de manutenção foram parados e o hangar selado por suspeitas do desvio de peças. Ainda assim, apesar de só haver 22 meios já contratados, o ministro da Administração Interna garante que haverá 55 disponíveis a tempo.

"Garanto que vamos ter aquilo que nunca tivemos: aviões e helicópteros disponíveis, não numa fase, mas todo o ano. Neste momento, estão já adjudicados esses helicópteros e aviões que vão operar durante todo o ano. E o Governo vai usar todos os meios necessários para garantir, nos termos da lei, a segurança dos portugueses", adiantou Eduardo Cabrita, abrindo a hipótese de um ajuste direto, à saída da reunião da Comissão Nacional de Proteção Civil, que aprovou o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais para 2018.

PORMENORES 
Mais meios de combate
Meios de combate vão ser reforçados durante todo o ano, com o maior aumento em junho e outubro, meses durante os quais se registaram os maiores incêndios de 2017, que provocaram, pelo menos, 115 mortos.

Exército equipado
O Exército recebeu botas e capacetes para equipar 1320 militares e aguarda mais equipamentos de proteção individual.
Estado Governo ministro da Administração Interna Kamov Comissão Nacional de Proteção Civil Eduardo Cabrita
Ver comentários