Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Homem realizou burlas durante 30 anos com identidade falsa

Suspeito responde por 10 crimes de falsificação de documentos e por burlas.
João Nuno Pepino 15 de Outubro de 2019 às 06:00
Tribunal de Santarém
Tribunal de Santarém FOTO: David Martins
O Tribunal de Santarém começa esta terça-feira a julgar um homem de 54 anos que manteve uma identidade dupla durante 30 anos, e com a qual conseguiu ludibriar bancos para comprar casa própria e carro, entre outras situações de burla.

O Ministério Público imputa-lhe 10 crimes de falsificação de documento, um de burla simples e outro de burla qualificada, num processo em que também são arguidos a sua companheira e um amigo, que o ajudaram a conseguir os documentos de identificação falsos.

O caso remonta a 1986, quando ‘António G.’, nascido em Ansião e vendedor ambulante, se apresentou na Conservatória do Registo Civil de Rio Maior dizendo chamar-se ‘Jorge S’ e solicitou a certidão de nascimento, que, na realidade, nunca existiu.

Mesmo sem indicar a filiação nem apresentar documentos comprovativos, o processo administrativo acabou por ser deferido, com a ajuda dos dois cúmplices que fizeram fé que ‘António’ era afinal ‘Jorge’, nascido a 1 de fevereiro de 1961.

Poucas semanas depois, e já com bilhete de identidade, tratou do número de contribuinte nas Finanças, inscrição na Segurança Social e até do passaporte, que usou para ir ao Brasil, onde passou três meses como ‘Jorge S.’, já em 2016.

Contraiu empréstimos em vários bancos
Com a identidade falsa, segundo o despacho de acusação, contraiu um empréstimo de 5000 euros junto do BANIF, que nunca pagou, e conseguiu um contrato de locação financeira no Santander para comprar um carro, deixando este banco lesado em cerca de 7500 euros.

Habitação onde vive foi comprada pelo ‘outro’
Em 2011, o arguido conseguiu junto do antigo BES um empréstimo de 97 700 euros para comprar uma casa no Entroncamento, onde ainda reside com a companheira, mas toda a documentação foi tratada em nome de ‘Jorge S.’, ou seja, com a identidade falsa.

PORMENORES
Bancos ficam sem dinheiro
Os bancos lesados recorreram aos tribunais para tentar reaver o dinheiro, mas os processos foram declarados extintos por falta de bens para cobrar.

Contratos de serviços
Na acusação estão descritos casos de burlas na celebração de contratos, com o nome falso, de fornecimentos de gás e falta de pagamentos em portagens.
Ver comentários