Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Homicida de cabeleireiro esteve horas com cadáver no hotel

Luta entre os dois homens levou hóspedes a fazer queixa na receção.
João Carlos Rodrigues 6 de Novembro de 2019 às 08:37
Ricardo Marques Ferreira era madeirense. Deixou a região autónoma para trabalhar no continente e, há cerca de dois anos, emigrou para a Suíça
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Ricardo Marques Ferreira era cabeleireiro e penteou Cristiano Ronaldo
Liliana Campos com o cabeleireiro
Ricardo Marques Ferreira era madeirense. Deixou a região autónoma para trabalhar no continente e, há cerca de dois anos, emigrou para a Suíça
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Ricardo Marques Ferreira era cabeleireiro e penteou Cristiano Ronaldo
Liliana Campos com o cabeleireiro
Ricardo Marques Ferreira era madeirense. Deixou a região autónoma para trabalhar no continente e, há cerca de dois anos, emigrou para a Suíça
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Polícia investiga morte de Ricardo Marques Ferreira
Ricardo Marques Ferreira era cabeleireiro e penteou Cristiano Ronaldo
Liliana Campos com o cabeleireiro
O homicida de Ricardo Marques Ferreira só fugiu do quarto de hotel onde ocorreu o crime quando uma empregada de limpeza abriu a porta, pelas 14h00 de sexta-feira, várias horas depois de o barulho acabar.

Este dado leva a polícia de Zurique a acreditar que o brasileiro, de 39 anos, terá permanecido ao lado do cadáver do cabeleireiro madeirense várias horas depois de o ter assassinado com várias facadas.

Segundo o CM apurou, ao contrário do que foi inicialmente avançado, o suspeito não fugiu sem que ninguém se tivesse apercebido. Essa fuga só aconteceu porque uma funcionária do hotel da rua Letzigraben abriu a porta.

De acordo com o relato, o homem levantou-se e correu para a porta, fugindo na direção de uma estação de comboios próxima. E terá sido a gravação das câmaras de videovigilância que permitiu às autoridades suíças identificar o homicida, que acabou por ser preso menos de 48 horas depois. Estava em casa e não resistiu à detenção.

Por esclarecer continua o motivo do crime. Sabe-se que os dois homens conheceram-se num bar gay de Zurique, onde Ricardo Marques Ferreira ia habitualmente, e a seguir rumaram ao hotel onde o português estava a viver há uma semana.

Os dois envolveram-se numa discussão e terão lutado, ainda durante a madrugada, o que levou outros hóspedes a fazer queixa na receção.

Mas depois o barulho cessou e só horas mais tarde foi descoberto o cenário macabro no interior do quarto – estava repleto de sangue e o corpo de Ricardo, de 49 anos, ainda na cama.

Pormenores
Ronaldo
Ricardo Marques Ferreira chegou a trabalhar com Cristiano Ronaldo na gravação de um anúncio em Lisboa, com a estilista Fátima Lopes e a apresentadora de TV Liliana Campos.

Sem arma
A arma usada no crime – uma faca ou um objeto afiado – não foi recuperada pela polícia de Zurique. Todas as facas do hotel foram apreendidas para serem alvo de perícias pelas autoridades.

Funeral
As cerimónias fúnebres de Ricardo Marques Ferreira deverão decorrer no Funchal, Madeira, mas ainda não há uma data definida. Aguarda-se pela trasladação do corpo da Suíça.
Ver comentários