Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Homicida diz que “gostava muito” da freira ‘Tona’

Pedida pena máxima para assassino de Maria Antónia Pinho.
Nelson Rodrigues e Aureliana Gomes 10 de Julho de 2020 às 08:13
A carregar o vídeo ...
Homicida diz que “gostava muito” da freira ‘Tona’
Alfredo Santos, o predador sexual que matou a freira Maria Antónia Pinho, ‘Tona’, de 61 anos, em setembro do ano passado, em São João da Madeira, voltou ontem a falar perante o coletivo de juízes do Tribunal de Santa Maria da Feira.

“Estou arrependido. Sei que a matei, porque ela apareceu morta no meu quarto, mas não me lembro, porque estava alcoolizado e drogado. Eu gostava muito dela”, disse o arguido, que está em prisão preventiva. Alfredo Santos, de 50 anos, está acusado da violação e do homicídio da religiosa - também conhecida como a ‘freira radical’ por andar de moto - e o Ministério Público não tem dúvidas de que todos os factos da acusação foram dados como provados.

O procurador pediu que o arguido seja condenado à pena máxima, 25 anos de cadeia. A freira, que aceitou dar boleia a Alfredo Santos, foi atacada com um golpe de mata-leão e com murros na cara e na cabeça. Depois, foi violada durante três horas. A certa altura, o homem percebeu que a vítima já estava morta, mas continuou com os atos sexuais. Depois, dormiu durante uma hora ao lado do cadáver.
São João da Madeira Tona Santos Ministério Público Maria Antónia Pinho Tribunal de Santa Maria da Feira
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)