Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Fogo de Proença-a-Nova obriga a evacuar aldeias em perigo. Chamas combatidas por mais de 1000 bombeiros

Incêndio ocupa perímetro de mais de 55 quilómetros.
Lusa 14 de Setembro de 2020 às 07:37
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
Incêndio de Proença-a-Nova alastra a mais dois concelhos
O incêndio de "grandes dimensões" no concelho de Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, estendeu-se aos concelhos de Castelo Branco e de Oleiros, disse fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) local.

O incêndio "continua com grande evolução" e alastrou a três concelhos "Castelo Branco, Proença-a-Nova e Oleiros", indicou a mesma fonte.

De momento estão no local mais de 1000 operacionais, apoiados por 388 viaturas e nove meios aéreos.

Sete bombeiros ficaram feridos enquanto combatiam as chamas sendo que dois deles sofreram ferimentos graves.

O fogo regista um perímetro com mais de 55 quilómetros, avançou o responsável da Proteção Civil.

"Nas primeiras duas horas e 40 minutos [do início do incêndio] queimou quase 2.300 hectares. Manteve-se com esta energia durante toda a noite e ao contrário das expectativas de que a noite trouxesse alguns benefícios para combater [o fogo] isso não veio a acontecer", afirmou o Comandante Operacional de Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa, durante a conferência de imprensa que teve lugar no posto de comando, em Sobreira Formosa, no concelho de Proença-a-Nova.

Segundo o responsável, apesar do tempo "mais encoberto e fresco" que se registou na manhã desta segunda-feira, o dispositivo de combate não tem conseguido "colocar meios a combater na linha de propagação do incêndio".

Estrada nacional 238 cortada em Oleiros

A estrada nacional 238, em Oleiros, foi cortada na manhã desta segunda-feira devido ao incêndio que deflagrou em Proença-a-Nova e que alastrou a este concelho do distrito de Castelo Branco, disse a GNR.

Segundo a mesma fonte, esta é a única estrada principal cortada neste momento devido ao incêndio de grandes dimensões que afeta Proença-a-Nova.

No domingo, dois bombeiros sofreram ferimentos graves durante o combate a este incêndio, onde também um carro dos bombeiros ardeu, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Fonte da ANEPC precisou à Lusa que os dois bombeiros sofreram queimaduras de segundo grau e foram transportados pelo helicóptero do INEM para o hospital de Coimbra, estando "livres de perigo".

Devido aos riscos de incêndio, os distritos de Bragança e da Guarda vão ficar em alerta especial laranja na segunda-feira e os restantes em alerta amarelo.

Portugal Continental está em situação de alerta devido ao risco de incêndio até às 23h59 desta segunda-feira, estando em estado de alerta especial nível vermelho os distritos de Beja, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Portalegre, Setúbal e Santarém e os restantes estão em laranja.

As aldeias do concelho de Oleiros estão na linha de fogo. Em várias aldeias dos concelhos de Proença, Castelo Branco e Oleiros foi necessário retirar cerca de 20 a 30 pessoas das habitações. Várias aldeias estão cercadas pelo fogo.

Oito pessoas retiradas de casa no concelho de Oleiros

Oito pessoas foram hoje retiradas de suas casas no concelho de Oleiros devido ao incêndio que lavra no município e que teve início no domingo em Proença-a-Nova, disse à agência Lusa o presidente da câmara.

Fernando Jorge Marques adiantou que as pessoas foram retiradas na tarde desta segunda-feira das localidades de Pisureira e Rouco devido à ameaça das chamas.

Segundo o autarca de Oleiros, as restantes aldeias deste concelho do distrito de Castelo Branco "estão, de uma maneira geral, defendidas", embora toda a encosta virada para o rio Zêzere continue "muito problemática".

O presidente do município salientou ainda que a zona industrial do concelho escapou incólume às chamas, que estiveram a "10 metros", elogiando o trabalho dos operacionais no terreno e das máquinas de rasto.

Fernando Jorge Marques disse também que se registaram reacendimentos "muito fortes" em Sarnadas de São Simão e Isna, mas que devido às falhas de comunicação não consegue saber o ponto da situação.

O fogo que deflagrou em Proença-a-Nova no domingo alastrou aos concelhos de Castelo Branco e Oleiros, sendo neste último município que as atenções da Proteção Civil estão mais focadas.

O incêndio, que queimou quase 2.300 hectares em menos de três horas no seu início, conta com um perímetro de mais de 55 quilómetros, afirmou hoje o comandante operacional do Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa, referindo que durante a noite e a manhã foi impossível fazer combate direto à cabeça de incêndio.

De acordo com a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, às 18:40 o fogo estava a ser combatido por 1.055 elementos, apoiados por 342 viaturas e 14 meios aéreos.

Ver comentários