Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

“Juro que não toquei na Maëlys”, afirma suspeito do desaparecimento da menina

Homem respondeu sem hesitar às perguntas do juiz.
Magali Pinto 4 de Outubro de 2017 às 01:30
Maëlys de Araujo
Suspeito do desaparecimento de Maëlys está preso desde o dia seguinte ao desaparecimento
Buscas por Maëlys de Araújo
Maëlys Araújo
Maëlys desapareceu durante uma festa de casamento
Maëlys de Araujo
Suspeito do desaparecimento de Maëlys está preso desde o dia seguinte ao desaparecimento
Buscas por Maëlys de Araújo
Maëlys Araújo
Maëlys desapareceu durante uma festa de casamento
Maëlys de Araujo
Suspeito do desaparecimento de Maëlys está preso desde o dia seguinte ao desaparecimento
Buscas por Maëlys de Araújo
Maëlys Araújo
Maëlys desapareceu durante uma festa de casamento
No interrogatório judicial, Nordahl Lelandais – preso preventivamente em França pelo rapto da lusodescendente Maëlys de Araújo, de 9 anos, a 27 de agosto – respondeu a todas as perguntas do juiz de forma rápida, sem hesitar. Nordahl, ex-militar de 34 anos, disse que teve o primeiro contacto com Maëlys no salão de festas do casamento onde estavam, altura em que mostrou à menina fotos dos seus cães.

No entanto, Nordahl refere que esta abordagem foi em frente à mãe da criança. "Estávamos à mesa quando a menina viu os meus cães no telemóvel. Foi a primeira vez que a vi e falei com ela", disse ao juiz, no interrogatório cujo conteúdo foi relevado pelo jornal ‘L’Express’.

Nordahl disse que só voltou a ver Maëlys no parque de estacionamento. "Estava um menino loirinho com ela. Insistiram para ver se havia cães no meu carro. Abri a porta do lado do pendura para eles verem que não estava lá nenhum cão". Recorde-se que foi encontrado um vestígio de ADN de Maëlys precisamente na viatura do suspeito de rapto. O juiz perguntou: "Você tocou na menina?". Nordahl respondeu: "Juro que não me lembro de lhe ter tocado, se calhar só para a ajudar a sair do carro, mas não esteve no meu colo". Sobre os calções que Nordahl fez desaparecer, ele diz que os sujou com vinho e não quis admitir à mãe que tinha conduzido até casa alcoolizado. Nordahl foi filmado a lavar o carro antes das perícias da polícia francesa. O mistério dura desde 27 de agosto, data em que a criança desapareceu.
Nordahl Lelandais Maëlys de Araújo França juiz Express ADN questões sociais crime lei e justiça
Ver comentários