Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Morre atropelado a tentar evitar roubo do seu próprio carro

José Fábrica, de 51 anos, era proprietário de uma escola de condução no Entroncamento. PJ segue pistas deixadas pelos assaltantes, que estão em fuga.
Isabel Jordão 19 de Março de 2019 às 01:30
A carregar o vídeo ...
José Fábrica, de 51 anos, era proprietário de uma escola de condução no Entroncamento. PJ segue pistas deixadas pelos assaltantes, que estão em fuga.

Um empresário de 51 anos, proprietário de uma escola de condução, morreu atropelado quando tentava evitar o roubo do seu próprio carro, na madrugada desta segunda-feira, em Lamarosa, no concelho de Torres Novas. Os assaltantes arrancaram a toda a velocidade, abalroando José Fábrica, que foi deixado inconsciente no meio da estrada, e seguiram em direção ao Entroncamento, onde abandonaram o carro. Está montada uma operação de caça ao homem, mas ao fecho desta edição os fugitivos ainda não tinham sido localizados.

A residir no Entroncamento, onde funciona a Escola de Condução Carmona, José Fábrica estava a passar o serão de domingo com os amigos da Lamarosa, onde também costumava deixar os carros de instrução quando precisavam de pequenas reparações. Já passavam alguns minutos da 01h30 quando se aperceberam de barulhos vindos do exterior, notando que alguém estava a tentar roubar um dos carros.

José Fábrica foi para a rua e quando viu que era a sua carrinha que estava a ser roubada, colocou-se à frente da viatura, no meio da estrada, para tentar travar os assaltantes. O que ninguém esperava era que os ladrões acelerassem em direção ao empresário e o abalroassem para fugirem.

"Eu estava em casa e ouvi um carro a arrancar pela estrada acima a toda a velocidade e pouco depois a voltar para baixo, mas quando cheguei à rua já só vi uma pessoa no chão e isto cheio de polícias e bombeiros", contou ao CM Fernando Luís, um dos moradores na rua Casal da Henriqueta. Como era tarde, o morador recolheu-se de novo em casa e só ao final da manhã se apercebeu de quem se tratava e que não tinha sobrevivido ao atropelamento.

"Uma brutalidade destas aqui à porta de casa. É uma coisa chocante", disse outro morador, que não quis identificar-se, com receio dos assaltantes, que, à hora de fecho desta edição, não tinham sido capturados. Em casa dos amigos do empresário, o ambiente era ontem de tristeza e consternação.

Assim que foi dado o alerta, um forte dispositivo policial seguiu para o local do crime, com militares da GNR a criar um perímetro de segurança e a assegurarem a preservação dos vestígios até à chegada dos inspetores da PJ, que ficaram com a investigação. As diligências prosseguiram ao longo da madrugada e durante o dia com várias equipas a seguirem pistas sobre o roubo do carro e o atropelamento, que configura um crime de homicídio.

PORMENORES

Manobras de reanimação
Quando as equipas dos Bombeiros de Torres Novas e do INEM chegaram, a vítima estava em paragem cardiorrespiratória. Foram iniciadas manobras de reanimação, mas a morte viria a ser confirmada no local.
Autópsia em Tomar
O corpo foi retirado durante a madrugada, já depois de concluídas as primeiras diligências de investigação, e transportado para autópsia, no Instituto de Medicina Legal de Tomar. A autópsia deverá realizar-se hoje.
População chocada
No Entroncamento e em Torres Novas, sobretudo na aldeia de Lamarosa, a população está chocada com a morte do empresário, que era muito conhecido e estimado por todos. "Não há explicação, levavam o carro e não o matavam", dizem.

Carro da vítima foi abandonado no Entroncamento

O carro do empresário foi abandonado pelos assaltantes a meio da noite, no Entroncamento, tendo sido ontem levado pela Polícia Judiciária, para análise e recolha de vestígios. Estava estacionado junto ao número 34 da rua Dr. Francisco Sá Carneiro, uma das mais movimentadas da cidade. A investigação está a apurar se continuaram a fuga noutra viatura furtada durante a noite naquela zona ou se têm residência - própria ou de familiares - no Entroncamento.
Ver comentários