Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Mulher grávida de oito meses assassinada pelo companheiro no Barreiro

Suspeito foi detido no aeroporto de Lisboa quando se preparava para fugir do País. Anunciou o crime nas redes sociais.
Tânia Laranjo e Sérgio A. Vitorino 18 de Agosto de 2022 às 12:15
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Vítima
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Publicação no facebook
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Vítima
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Publicação no facebook
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Vítima
Mulher grávida foi assassinada pelo companheiro
Publicação no facebook
Uma mulher grávida de oito meses foi assassinada pelo companheiro no Barreiro. A vítima de 38 anos apresentava vários golpes pelo corpo, e principalmente na zona da barriga. De acordo com informações recolhidas pelo CM, a menina ia chamar-se Deyliana.

O suspeito, cabo-verdiano de 31 anos, foi esta quinta-feira detido no aeroporto de Lisboa pela Polícia Judiciária de Setúbal, quando tentava fugir do país, confirmou a Polícia judiciária em comunicado, referindo ainda que o crime foi praticado com uma "arma branca".

Momentos antes da detenção, o homem tentava contactar familiares e amigos com o objetivo de pedir dinheiro para realizar a viagem de avião, isto porque tinha apenas 15 euros consigo. 

Após a detenção, o suspeito tentou fugir da esquadra do aeroporto, porém foi de imediato agarrado pelas autoridades, não oferecendo resistência. 

Segundo apurou o CM, a família deu o alerta para a PSP na madrugada desta quinta-feira, sendo que temia que a mulher fosse assassinada pelo namorado após a reação do agressor nas redes sociais. 

Depois do contacto, as autoridades encontraram o corpo, tendo a VMER do INEM confirmado óbito. 

O homem vai ser ouvido esta sexta-feira no Tribunal do Barreiro.

O suspeito anunciou o crime na conta na rede social Facebook, tendo já apagado a publicação.

Leia a tradução livre:
"Matei a minha namorada ela chama-se Rosa. Se acontecer alguma coisa comigo é porque eles não querem que eu fale para eles desaparecerem com os nossos corpos. Porque eles querem matar-me! Hoje ela meteu aquele remédio na minha comida, tem cancro e está grávida, mas o filho não é meu. Ela enganou-me e eu descobri. Deu-se esta tragédia. Ninguém tem o direito de tirar a vida a ninguém, mas ela agiu com má fé a partir do momento que meteu algo na minha comida. Quando ela deu conta que eu sabia, mandaram matar-me. Eu agi primeiro. O menino não merecia nada disto. Muito triste e lamentável."

Em atualização
Barreiro morta grávida crime homicídio
Ver comentários