Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Patrão de Sócrates nas mãos de superjuiz Carlos Alexandre

Instrução do processo 'Máfia do Sangue' começa a 12 de outubro. Lalanda e Castro entre os sete arguidos.
João Carlos Rodrigues 25 de Setembro de 2020 às 09:13
Lalanda e Castro com José Sócrates
Lalanda e Castro com José Sócrates FOTO: Direitos Reservados
Um mês. Este será o tempo – se tudo correr de acordo com o agendamento já feito – que o juiz Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal, vai dar para a instrução do processo em que Paulo Lalanda e Castro, o ex-patrão de José Sócrates na Octopharma, está acusado por crimes de corrupção, falsificação e lavagem de dinheiro relacionados com negócios milionários do plasma feitos durante anos entre privados e o Estado.



O processo conhecido como Máfia do Sangue, de acordo com a revista ‘Sábado’, deveria ter seguido para instrução em abril, mas uma série de episódios rocambolescos envolvendo Carlos Alexandre e Ivo Rosa – dois dos juízes do TCIC, o último atualmente em exclusividade para o processo Marquês, com o antigo primeiro-ministro José Sócrates – atrasaram a atribuição do processo e o agendamento das sessões.

A primeira sessão está agendada para 12 de outubro e deverá ser preenchida com o interrogatório ao advogado Paulo Farinha Alves, acusado por dois crimes de falsificação e branqueamento de capitais. O debate instrutório já está agendado para 10 e 11 de novembro.

A demora na marcação do início da instrução deve-se ao facto de o processo ter sido sorteado inicialmente ao juiz Ivo Rosa, mas devido à intervenção do Conselho Superior de Magistratura os atos foram entregues ao ‘superjuiz’ Carlos Alexandre. Neste período, as defesas alegaram várias nulidades, que o Ministério Público entende serem uma tentativa de atrasar a instrução do processo ou mesmo de impedir a instrução.

Saiba mais
Plasma
Este processo assenta no negócio do plasma sanguíneo, feito entre Lalanda e Castro e o ex-presidente do INEM Luís Cunha Ribeiro, que terá beneficiado a Octopharma em concursos públicos.

7
arguidos foram acusados em novembro de 2019 por corrupção, recebimento indevido de vantagem, falsificação de documentos, abuso de poder e branqueamento de capitais.

Sócrates
O ex-primeiro-ministro José Sócrates integrou o Conselho Consultivo da Octopharma para a América Latina entre janeiro de 2013 e novembro de 2014. Foi afastado ao ser preso em Évora.
Ver comentários