Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Pena máxima para homicida de polícias

Marcus Fernandes, acusado do homicídio de dois agentes da PSP, Paulo Alves (23 anos) e António Abrantes (30 anos), mortos a tiro, no Bairro de Santa Filomena, na Amadora, em Março de 2005, foi esta sexta-feira condenado pelo colectivo de juizes do Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, à pena de prisão máxima (25 anos).
5 de Maio de 2006 às 16:12
Marcus Fernandes, de 31 anos, foi condenado parcelarmente a 23 anos de prisão pela morte do agente António Abrantes, a outros 23 anos de prisão pelo homicídio do agente Paulo Alves e a 14 anos de prisão por tentativa de homicídio de um terceiro elemento da PSP, Pedro Pereira, tendo, em cúmulo jurídico, sido aplicada a pena máxima.
Recorde-se que a defesa pediu o internamento do arguido por considerar que o luso-brasileiro sofre de perturbações mentais. Nas alegações finais, o Ministério Público (MP) havia pedido a pena máxima de prisão. O tribunal deu como provado os factos que constavam da acusação do MP, entendendo que Marcus teve uma "conduta especialmente censurável e preversa" tendo agido com "frieza".
Ver comentários