Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Perímetro do fogo dominado em Oleiros. Mais de 860 bombeiros mantêm-se no local

Incêndio tem ainda partes ativas mas a proteção civil considera dominado.
Lusa e Sérgio A. Vitorino 27 de Julho de 2020 às 09:03
Incêndio em Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros
Incêndio em Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros
Incêndio em Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros
Máquinas de rasto Oleiros

O incêndio que lavra desde sábado no concelho de Oleiros, em Castelo Branco, está dominado, embora tenha ainda algumas partes ativas, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Segundo disse à Lusa fonte da ANEPC, "o incêndio está dominado naquilo que é o seu perímetro", mas "não quer dizer que não tenha ainda partes ativas".

A mesma fonte remeteu mais esclarecimentos para a conferência de imprensa agendada para as 09:00, em Oleiros, no posto de comando. 

Pelas 08:40, segundo os dados da página da ANEPC, estavam no local a combater o fogo 868 operacionais, apoiados por 274 veículos e dois meios aéreos.

No domingo, ao início da noite, três aldeias do concelho de Oleiros estiveram em "risco efetivo" por causa deste fogo que se estendeu aos concelhos de Proença-a-Nova e Sertã.

Em conferência de imprensa, o Comandante Operacional de Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa adiantou que as chamas consumiram cerca de seis mil hectares de terreno.

Em fase de consolidação o comandante diz que ainda "há muito trabalho pela frente porque esta área é complexa" e que o efetivo vai continuar no terreno porque há possibilidade de reativação nas próximas horas.

Exército enviou duas máquinas de rasto para Oleiros

O Exército enviou para Oleiros duas máquinas de rasto para a abertura de caminhos que facilitem o acesso dos operacionais que combatem o incêndio. Com uma tripulação de quatro militares cada, estão empenhados 8 militares do Exército.

O apoio surgiu após um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil ao Estado-Maior-General das Forças Armadas.


Ver comentários