Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

"Sinto-me um parasita dentro do navio”: Português infetado com coronavírus está febril e pede ajuda ao Governo

Adriano Maranhão vai ser transferido para um hospital amanhã.
Correio da Manhã 24 de Fevereiro de 2020 às 08:16
A carregar o vídeo ...
Adriano Maranhão está em quarentena no navio cruzeiro.
O português infetado com coronavírus a bordo do navio cruzeiro "Diamond Princess" atracado em Yokohama, no Japão, confessou que se sente "um parasita dentro do navio, toda a gente se afasta". O homem revelou ao CM que vai ser transferido para uma unidade hospitalar esta terça-feira e que já foi auscultado por um médico.

Numa videoconferência em direto para a CMTV, Adriano Maranhão contou que foi visto por um médico das autoridades japonesas. "Disse-me para não entrar em alarme porque a partir dos 38 [graus de febre] é que é grave", revelou o português.

Os infetados foram entretanto autorizados a sair dos compartimentos durante duas horas. "Acabámos de ter autorização do comandante, os infetados, entre as 20h00 e as 22h00, para sair para a parte do navio que dá para o mar", anunciou Adriano Maranhão, que deverá ser transportado para uma unidade hospitalar. "Penso que estou em melhores mãos lá [no hospital] do que estou aqui", afirmou.

Ainda durante a manhã, o português revelava à CMTV que se sentia "cansado" e que a temperatura corporal tinha subido nas últimas horas, variando entre os 37.7 e 38 graus.

"Quando eu me queixei que a temperatura estava a subir e que me sentia cansado, deram-me um paracetamol. Isso foi de manhã, a conversa [telefónica] com o médico foi à tarde", relatou.
Adriano saiu da cabine, onde se encontrava em isolamento, para poder receber a medicação. "Fizeram-me deslocar da cabine ao Medical [posto de saúde] para tomar tomar a medicação. Tive que sair com o efeito de poder contagiar mais alguém, mas não era minha responsabilidade, era responsabilidade deles", confessou.

O profissional de saúde considerou todo o procedimento como "normal", mas discutiu com paciente infetado acerca dos contactos realizados entre Adriano e a Embaixada portuguesa no Japão. "Discutiu comigo por ter entrado em contacto com a Embaixada portuguesa porque [esta] está em contacto com eles aqui dentro. A embaixada não tem poder cá dentro, eles é que são responsáveis por sair aqui do navio", relatou Adriano à CMTV.

"Sinto medo, estou revoltado, não sei o que se passa, não sei até que ponto é que estou afetado, não sei até que ponto é que me consigo curar", confessou, apelando ao Governo português para que o ajude numa situação em "que se sente como parasita".

"Peço ajuda ao meu Governo português que me ajude. Estou de mãos e pés atados, eu não consigo fazer nada dentro de uma cabine", apelou.
Adriano Maranhão Diamond Princess saúde vírus epidemia coronavírus“
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)