Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Relatório confirma que nada mudou na floresta desde os incêndios de 2017 em Pedrógão Grande

Risco de incêndio na zona do Pinhal Interior "mantém-se muito elevado", concluiu a comissão eventual de inquérito parlamentar.
Lusa 3 de Março de 2021 às 15:53
Incêndio de Pedrógão Grande
Incêndio de Pedrógão Grande FOTO: Carlos Barroso
O relatório da comissão eventual de inquérito parlamentar sobre Pedrógão Grande confirma as preocupações da Associação de Vítimas relativamente à falta de ação na floresta da região, afirmou esta quarta-feira a presidente da instituição.

"[O relatório] confirma a evidência que já tínhamos de que a questão florestal está completamente na mesma, sem qualquer alteração desde 17 de junho [de 2017], eventualmente pior, pela quantidade de combustível no território", disse à agência Lusa a presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG), Dina Duarte.

O risco de incêndio na zona do Pinhal Interior "mantém-se muito elevado", concluiu a comissão eventual de inquérito parlamentar sobre o incêndio de Pedrógão Grande, em 2017, no relatório publicado na terça-feira, em que recomenda "uma avaliação global externa" ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios.

Segundo Dina Duarte, apesar de algum trabalho feito de limpezas "junto das aldeias e das vias de comunicação", o território continua marcado pela regeneração natural do eucalipto, espécie que é "a rainha" na região.

"Faz falta um ordenamento florestal e lamentavelmente o que a associação confirma é que alguns proprietários continuam a investir no eucalipto", notou.

Para a presidente da AVIPG, é necessário ações de sensibilização junto dos pequenos proprietários, mas também um investimento mais robusto e forte para uma reflorestação do território, com vista à mudança da sua paisagem e à aposta em espécies autóctones, normalmente mais resilientes a incêndios.

Dina Duarte também realçou que a associação concorda com a recomendação da comissão de inquérito para que haja um novo levantamento sobre as segundas habitações e que a sua reconstrução seja suportada pelo Estado.

"É importante que tenhamos o nosso parque habitacional completo e pleno e que faça regressar os vizinhos que vinham aqui passar temporadas. O interior precisa disso", defendeu.

O projeto de relatório, que teve como relator o deputado Jorge Paulo Oliveira (PSD), foi hoje apresentado na respetiva comissão, avançando com um conjunto de 83 conclusões e 36 recomendações sobre agricultura, atividades económicas, floresta e habitação.

Ver comentários