Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Três adeptos do Vitória de Guimarães arguidos por alegados insultos racistas a Marega

Juiz de instrução criminal no Tribunal de Guimarães começou esta sexta-feira a ouvir os adeptos.
Lusa 25 de Setembro de 2020 às 17:41
Tribunal de Guimarães
Tribunal de Guimarães FOTO: Simão Freitas
Um juiz de instrução criminal no Tribunal de Guimarães começou esta sexta-feira a ouvir três adeptos do Vitória constituídos arguidos no caso dos cânticos e insulsos racistas ao futebolista Moussa Marega, do FC Porto, disse fonte judicial à Lusa.

Segundo a fonte, a diligência processual prosseguirá a dois de outubro.

Os arguidos estão indiciados pelo crime de discriminação e incitamento ao ódio e à violência, punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.

Neste momento, estão com termo de identidade e residência, uma medida de coação que pode ser agravada pelo juiz de instrução criminal, designadamente com a proibição de frequência de recintos desportivos.

O Ministério Público chegou a propor a suspensão provisória do processo, mediante a proibição de frequência de recintos desportivos, a apresentação em posto policial sempre que o Vitória jogasse e o pagamento de uma quantia a uma instituição, mas os arguidos não aceitaram.

Os factos remontam a 16 de fevereiro último, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, durante o jogo de futebol entre o Vitória de Guimarães e o FC do Porto, a contar para a 21.ª jornada da I Liga de futebol.

Por volta do minuto 70, pouco depois de ter marcado um golo, Marega pediu para ser substituído e acabou mesmo por abandonar o relvado, agastado com cânticos de natureza racista que lhe estavam a ser dirigidos por adeptos do Vitória, com sons a imitar macacos.

Marega já foi jogador do Vitória de Guimarães.

Contactado pela Lusa, Pedro Carvalho, advogado dos arguidos, manifestou-se "plenamente convencido" de que os seus constituintes "não tiveram qualquer conduta censurável criminalmente".

Um convencimento que sustenta tanto na versão contada pelos arguidos, como na "simples análise objetiva dos factos".

"Apenas espero que o mediatismo dos factos e a questão do racismo, que tem gerado aceso debate na sociedade, não subverta a ação da justiça, porque será inadmissível para um Estado de Direito que os meus constituintes sejam utilizados como bodes expiatórios e se pretenda através deles, ficticiamente, fazer um combate ao racismo e à violência no desporto. Não é pelas dificuldades investigatórias que possam existir que se sacrificará os direitos destes cidadãos, adeptos do Vitória Sport Clube, ou pelo menos assim espero", rematou.

Ver comentários