Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Trio sequestra e tortura homem por dívida de 150 euros

Dinheiros da droga na origem de violência “inédita” na Covilhã.
Alexandre Salgueiro 2 de Setembro de 2020 às 08:29
Homem foi pedir socorro ao quartel dos bombeiros da Covilhã
Homem foi pedir socorro ao quartel dos bombeiros da Covilhã FOTO: Direitos Reservados
A Polícia Judiciária da Guarda deteve esta terça-feira três homens suspeitos de sequestrar e agredir de forma violenta um outro homem, de 30 anos, na sua própria casa, na Covilhã. De acordo com o que o CM apurou, na origem dos crimes terá estado a tentativa de cobrar à vítima uma dívida de pouco mais de 150 euros acumulada em compras de pequenas quantidades de droga.

Segundo a PJ, os suspeitos, um estudante de 16 anos, e dois desempregados, de 18 e 23, “surpreenderam a vítima, um servente de construção civil, à porta de casa na noite do passado domingo”. “Amarraram-no à cama e agrediram-no barbaramente a murro, pontapé e com vários objetos. Depois, levaram-no gravemente ferido para casa de um deles onde o mantiveram sequestrado sob vigilância”, explicou a fonte.

O homem conseguiu fugir às 08h00 de segunda-feira, depois de os seus raptores adormecerem. Pediu ajuda no quartel dos bombeiros da Covilhã, que o transportaram ao hospital da cidade com ferimentos graves em todo o corpo, sobretudo na cabeça. Os suspeitos acabariam por ser localizados e detidos, na madrugada desta terça-feira, pela PJ da Guarda, que recolheu “relevantes elementos de prova”.

Fonte ligada à investigação assegura ao CM que “a violência extrema, no limiar da tortura, e o atrevimento demonstrados são típicos de uma mentalidade de gangue e inéditos na região”. A mesma fonte adianta que está a ser investigada a ligação do grupo a outros crimes da mesma natureza e ainda mais graves como, eventualmente, homicídio.

Os três jovens, acusados de sequestro, ofensa à integridade física, extorsão e tráfico, estavam ao final do dia de esta terça-feira ainda a ser ouvidos em primeiro interrogatório por um juiz do Tribunal da Covilhã para determinação de medida de coação.


PJ Polícia Judiciária da Guarda Covilhã crime lei e justiça crime assalto
Ver comentários