Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Ponte entre Amares e Vieira do Minho fechada ao trânsito por razões de segurança

Estrutura mais antiga em betão armado do País vai ser fechada 'de imediato', por razões de segurança.
Lusa 15 de Janeiro de 2019 às 10:52
Ponte entre Amares e Vieira do Minho
Ponte entre Amares e Vieira do Minho FOTO: Porto e Norte
A mais antiga ponte em betão armado do país, entre Amares e Vieira do Minho, distrito de Braga, vai ser "de imediato" fechada a todo o trânsito automóvel, por razões de segurança, disseram esta terça-feira os autarcas locais.

O presidente da Câmara de Amares, Manuel Moreira, disse esta terça-feira à Lusa que a ponte de Parada, também conhecida por ponte do Bôco, "já tem o ferro à mostra" e apresenta "algumas fissuras".

"Estamos a falar da mais antiga ponte do país em betão armado, com mais de 100 anos, e com a segurança não se brinca. Vai ser fechada ao trânsito automóvel ainda esta semana, porque mais vale prevenir do que remediar e não queremos ficar com o ónus de um eventual colapso", referiu.

As duas câmaras encomendaram ao professor da Universidade do Minho José Sena Cruz a elaboração de um estudo sobre o estado da ponte e de um caderno de encargos com todos os custos inerentes a uma intervenção de fundo na estrutura.

"Só depois é que se verá qual a melhor solução, que até pode passar pela construção de uma nova ponte", sublinhou o presidente da Câmara de Vieira do Minho, António Cardoso.

Aquela ponte sobre o rio Cávado foi construída entre 1908 e 1909 e faz a ligação entre o lugar de Aldeia, freguesia de Parada do Bouro, concelho de Vieira do Minho, e o lugar de Dornas, freguesia de Bouro (Santa Maria), concelho de Amares.

As câmaras já tinham colocado sinalização a proibir a passagem de pesados, mas, segundo Manuel Moreira, "os camiões continuaram sempre a passar".

Por isso, desta vez, as câmaras vão optar pela colocação de "barreiras físicas".

Os dois autarcas reconhecem que o corte da circulação causa "grandes transtornos", sobretudo aos pesados, que serão obrigados a um trajeto extra de "seguramente mais de 20 quilómetros".

Já para os ligeiros, o desvio deverá rondar os cinco quilómetros. Com um tabuleiro de 33 metros de comprimento e com apenas uma faixa de rodagem, a ponte do Bôco está classificada como imóvel de interesse público.
Ver comentários