Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Afinal, quantas vezes devemos fazer sexo?

Fazer amor é bom para a saúde e alivia muitos males, como o stress e as dores de cabeça. Até diminui as probabilidades de ter um enfarte.
Ana Maria Ribeiro e Sónia Dias 16 de Agosto de 2020 às 01:30
Idade é um dos fatores que pode levar à perda de libido
Idade é um dos fatores que pode levar à perda de libido FOTO: Direitos Reservados
Os especialistas são unânimes: o sexo faz bem à saúde. Reduz o stress, diminui as probabilidades de ter um ataque cardíaco, melhora a qualidade do sono, reforça o sistema imunitário e (ainda por cima!) queima calorias. Há mesmo quem diga que reduz as dores menstruais e pode acabar com as enxaquecas. Mas quanto sexo devemos fazer por semana para recolher todos os benefícios que proporciona?

A intensidade da vida sexual muda ao longo dos anos e depende da idade e de fatores externos, como a atividade profissional que cada um desempenha. De acordo com um estudo do Instituto Kinsey, dos EUA, as pessoas entre os 18 e os 29 anos costumam ter sexo, em média, duas vezes por semana, mas o número desce para 1,6 vezes por semana na faixa entre os 30 e os 39 anos.

Trata-se da fase da vida em que as pessoas decidem ter filhos e em que dão maior importância à carreira, trabalhando mais horas e acumulando mais stress. Já entre os os 40 e os 49 anos, e segundo a mesma investigação, os casais têm sexo 69 vezes por ano (uma média de uma vez de cinco em cinco dias). Nesta faixa etária costuma assistir-se a uma diminuição da libido que pode acentuar-se na terceira idade e que justifica uma menor atividade sexual.

Muitos esperam melhor sexo no verão
De acordo com um estudo realizado em 2016, entre uma amostra de duas mil pessoas, 52% diziam esperar melhor sexo no verão, mas 60% admitiam que, na realidade, as expectativas nunca se cumpriam. Entre os portugueses, o sábado é o dia preferido para ter sexo e a segunda-feira o dia menos propício à atividade. Já no capítulo das desculpas para não ter sexo, 83% dizem-se "demasiado cansados", enquanto 24% dizem sofrer "dor de cabeça" e 15% alegam sentir dores musculares.

Quintino Aires, psicólogo, recomenda: "uma vez na semana é o mínimo"
CM – Pode dizer-se que há um limite mínimo para ter relações sexuais?
– Sim. E é mais ou menos consensual. Por convenção clínica, nunca devemos ter sexo menos de uma vez por semana. E isto ao longo de todo o nosso percurso de vida. Na adolescência, a masturbação deve ter a regularidade de uma vez por semana. E assim deve continuar.

– Mas nem sempre as pessoas cumprem o que é recomendável...
– Há muitas diferenças individuais, por isso é que nunca dizemos às pessoas para terem sexo duas ou três vezes por semana. Depende de cada pessoa. Mas uma vez por semana está provado que diminui a ansiedade, as complicações da diabetes, os problemas cardíacos. Já para não falar dos problemas de relacionamento entre o casal, evidentemente.

Especialista diz que convém manter ritmo
Segundo Quintino Aires "na menopausa, a mulher começa a evitar o sexo e o casal perde o ritmo". Isto deve ser evitado "com paciência".

Hoje há mais sexo depois dos 50 anos
O especialista diz que hoje os jovens fazem menos sexo ("têm menos contactos sociais") e após os 50 "as pessoas estão mais desinibidas".

"Sexo virtual é péssimo", diz Luana Piovani
Aos 43 anos, Luana Piovani não tem complexos em falar de sexo, a que chama "festa no céu". "Não tenho problema em tomar a iniciativa ou transar no primeiro encontro", afirma a atriz brasileira, que atualmente namora com Ofek Malka, de 20 anos, jogador de basquete israelita que conheceu no verão passado em Ibiza. Durante a quarentena, o casal usou a internet para matar saudades.

"Houve uma semana em que fiz sexo virtual. Achei péssimo. Preciso do toque. O sexo virtual é mal enquadrado, mal iluminado, fica feio. Mas acho que para ele foi bom, o que me deixa feliz. Se ele quiser, vou fazer esse sacrifício", explica Luana, que gosta de enviar fotos sensuais ao namorado. "Mando altas fotos na banheira, com a cueca no pezinho."

Em várias entrevistas, a atriz já disse que nunca houve um homem que recusasse fazer sexo com ela e diz que não aprecia sexo anal. "Se gostar, sorte a sua, tem mais uma opção de lazer. Eu só trabalho com uma e sou superfeliz", afirmou.

Dicas e Sugestões
1 Para apimentar a vida sexual dos casais com filhos, a atriz aconselha uma noite de "festa no céu" com "roupa sexy, música, bebida, comida e diversão".

Luana Piovani diz que é importante para qualquer mulher realizar as suas fantasias sexuais e falar com o parceiro sobre isso.

3 A artista brasileira gosta de enviar fotos sensuais ao namorado, que está longe, de forma a apimentar a relação à distância.
Luana Piovani Quintino Aires questões sociais saúde sexo sexualidade
Ver comentários