Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

13 mortos por coronavírus nas últimas 24 horas. Há mais de 32 mil infetados

Há mais 41 novos casos em Lisboa. 275 pessoas recuperaram da Covid-19 desde ontem.
Correio da Manhã 30 de Maio de 2020 às 13:00
Coronavírus
Coronavírus FOTO: EPA
número de mortos e infetados por coronavírus voltou a subir este sábado. Há 1396 mortos por coronavírus em Portugal, mais 13 que ontem.

número de infetados com o vírus é agora de 32203, mais 257 que esta sexta-feira, 41 dos quais na região de Lisboa.

Região Norte continua a ser a mais afetada pela pandemia, com um total de 16739 infetados e 773 mortos.

Segue-se a região da Grande Lisboa, com 10874 infetados e 354 óbitos por coronavírus.

região Centro contabiliza 3739 casos de infeção e 238 vítimas mortais. A este número segue-se o Algarve, com 367 infetados e 15 mortos e a zona do Alentejo com 259 infetados e 1 óbito a registar.

No arquipélago dos Açores há registo de 135 infetados e 15 mortos por coronavírus. Na Madeira registam-se 90 casos confirmados, sem contabilizar vítimas mortais.

Há 19186 pessoas recuperadas, mais 275.

O número de mortos por coronavírus continua a ser superior entre as mulheres, sendo 708 as vítimas mortais. Paralelamente, já morreram 688 homens vítimas da covid-19. O grupo etário mais afetado pela pandemia são as pessoas com mais de 80 anos.

O número de doentes internados é de 514, sendo 63 o número de doentes na Unidade de Cuidados Intensivos.

O sintoma mais frequente do doente com covid-19 é a tosse (40%), seguindo-se a febre (29%), as dores musculares (21%), a cefaleia (20%) a fraqueza generalizada (15%) e, por fim, as dificuldades respiratórias (12%).

Rt acima de 1 entre 23 ae 27 de maio
A ministra da Saúde, Marta Temido, destacou este sábado na habitual conferência de imprensa que "não há qualquer caso novo na região do Alentejo" e que a taxa de letalidade global 4,3%.

A taxa de internamento "continua a decrescer", diminuindo a pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde. São agora 514 doentes.

A ministra da Saúde avançou ainda que a média do Rt 23 a 27 de maio 1,02. Essa média varia entre 0,93 na região norte, 0,98 na região centro e 1,05 na região de Lisboa e Vale do Tejo.


Aumento de casos em Lisboa e Vale do Tejo
Marta Temido revelou que o número de casos positivos de coronavírus na região de Lisboa continua a crescer em particular devido a atividades específicas como é o caso da construção civil. 

A ministra afirma que perante essa análise vão ser reforçadas as medidas de controlo da pandemia em específico na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Essas medidas passam pelo "rastreio da infeção focado nas atividades em que se tem verificado maior incidência e surtos da doença, designadamente áreas ligadas a construção civil, cadeias de abastecimento, transportes e distribuição, caracterizadas por grande rotatividade de trabalhadores", será feita também a "testagem de todas as pessoas relativamente às quais as autoridades de saúde tenham determinado vigilância ativa por terem contactos diretos" com os infetados.

Marta Temido sublinha ainda que neste momento o grande desafio das autoridades de saúde é quebrar as cadeias de transmissão que ainda persistem.

Situação na região de Lisboa e Vale do Tejo, que contabiliza 85% dos novos casos registados no país.

Cerca de 140 infetados na construção civil
A ministra da Saúde e a diretora geral da Saúde esclareceram ainda a questão da construção civil que tem sido uma atividade bastante atingida pelo vírus. Marta Temido não soube precisar o número de infetados, mas afirmou que vai ser feito um "esforço de testagem" na próxima semana. "É um trabalho que está em curso. Não sabemos dizer o universo de pessoas vítimas da infeção", admitiu, referindo que estas foram atividades que se mantiveram mais ou menos regulares.

Já Graça Freiras assumiu que serão cerca de 140 casos positivos, mas que estes números ainda são muito provisórios e remeteu mais esclarecimentos sobre o caso na próxima dado quando existirem dados mais concretos. 

Lar de Queluz tem 32 infetados
Relativamente ao lar de Queluz, Graça Freitas adiantou que a situação "está estável". Há 32 utentes infetados, quatro dos quais internados e  "aparentemente bem". Foram acionadas novas equipas para tratar destes utentes.

Marta Temido foi ainda confrontada com duas mortes ocorridas neste lar tendo as famílias sabido das mesmas através da comunicação social. A ministra da Saúde remeteu a questão para a estrutura residencial em causa: "O ministério da Saúde não tem qualquer intervenção ao nível das estruturas residenciais para idosos, aquilo que faz é monitorização da letalidade por Covid-19". Temido disse não dispor de mais dados sobre o assunto.

Emigrantes serão muito bem-vindos
Marta Temido afirma que os emigrantes que vierem a Portugal serão muito "bem-vindos" mas sublinha que é preciso continuar a cumprir as regras que existem atualmente em todo o Mundo devido à pandemia. 

A ministra mostra-se confiante de que os emigrantes vão cumprir e manter os cuidados tidos até agora.

Hospital Beatriz Ângelo em Loures enfrenta dificuldades
O número de casos em Loures tem vindo a aumentar e como tal o Hospital Beatriz Ângelo tem enfrentado dificuldades. 

Temido assegurou que apesar da "pressão específica", a mesma unidade registou uma certa "estabilização" no dia desta sexta-feira.

Há 58 camas dedicadas à Covid-19 e 10 camas nas unidades de cuidados intensivos — esta sexta-feira, 9 dessas 10 camas estavam ocupadas. "Os mais hospitais de Lisboa estão preparados para apoiar, caso seja necessário", avançou.

A ministra da Saúde assegurou ainda que existem hospitais prontos para ajudar o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures.

A lista negra de Grécia onde também se inserem portugueses
Sobre a lista negra que a Grécia lançou sobre as nacionalidades que não são bem-vindas este verão no país devido à pandemia, onde se incluem portugueses, espanhóis e italianos, Marta Temido assumiu que a mesma coloca em causa "regras da União Europeia". 

"Esta pandemia não conhece fronteiras e, sobretudo, num contexto de União Europeia onde os habitantes circulam, a [questão] tem de ser considerada com particular atenção", afirmou.

"Estou certa que serão análises que, com o tempo, serão ultrapassadas e, da mesma forma que olhamos para as medidas sanitárias com proporcionalidade e adequação é o que faremos relativamente à análise deste caso concreto", concluiu.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
coronavírus covid-19 mortos infetados dgs direção geral da saúde
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)