Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Mais 14 mortos por coronavírus em Portugal e 297 novos casos

268 dos 297 novos infetados são da região de Lisboa e Vale do Tejo.
Correio da Manhã 31 de Maio de 2020 às 12:11
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Portugal registou este domingo mais 14 mortos face ao dia de ontem totalizando assim 1410 vítimas mortais desde o início da pandemia. O número de infetados mantém-se perto da barreira dos 300 com 297 novos casos positivos nas últimas 24 horas num total de 32500 infetados. 

Região Norte continua a ser a mais afetada pela pandemia, com um total de 16760 infetados e 784 mortos.

Na região da Grande Lisboa, contabilizam-se 11142 infetados e 357 óbitos por coronavírus.

região Centro contabiliza 3744 casos de infeção e 238 vítimas mortais. A este número segue-se o Algarve, com 370 infetados e 15 mortos e a zona do Alentejo com 259 infetados e 1 óbito a registar, mantendo a zona do Alentejo os mesmos números deste sábado. 
 
No arquipélago dos Açores há registo de 135 infetados e 15 mortos por coronavírus. Na Madeira registam-se 90 casos confirmados, sem contabilizar vítimas mortais, os mesmos números deste sábado

Quando ao número de pessoas recuperadas, são 19409, mais 223 que no balanço anterior.

O número de mortos por coronavírus continua a ser superior entre as mulheres, sendo 717 as vítimas mortais. Paralelamente, já morreram 693 homens vítimas da covid-19. O grupo etário mais afetado pela pandemia são as pessoas com mais de 80 anos.

A registar este domingo há ainda uma vítima mortal por coronavírus, uma mulher, com idade compreendida entre os 20 e os 29 anos. 

O número de doentes internados é de 474, menos 40 que este sábado, sendo 64 o número de doentes na Unidade de Cuidados Intensivos, mais um do que no balanço anterior. 

O sintoma mais frequente do doente com covid-19 é a tosse (40%), seguindo-se a febre (29%), as dores musculares (21%), a cefaleia (20%) a fraqueza generalizada (15%) e, por fim, as dificuldades respiratórias (11%).

Acompanhe a conferência da DGS em direto:


INEM fará maioria dos rastreios na construção civil
A ministra da Saúde afirmou que são sobretudo equipas do INEM que vão fazer o rastreio da covid-19 no setor da construção civil, complementadas por outras estruturas.

"Neste momento, os meios envolvidos são sobretudo do INEM para efeitos de colheita de amostras de material biológico", referiu a ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa diária de balanço sobre a pandemia em Portugal.

Segundo a membro do Governo, este tipo de colheita é mais eficiente, referindo que uma das sete equipas do INEM dedicadas a este tipo de atuação colhe, por dia, entre 200 a 300 amostras de material biológico.

"É o foco principal da nossa estratégia, complementada pela continuidade dos centros de testes e pelas unidades de cuidados de saúde primários", acrescentou.

De acordo com Marta Temido, a capacidade instalada em Lisboa e Vale do Tejo permite realizar cerca de quatro mil análises por dia no setor público e três mil em "ambiente privado e parceiros".

"É esta a capacidade que estamos a mobilizar", frisou.

Portugal regista hoje 1.410 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no sábado, e 32.500 infetados, mais 297, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Ministra diz que já há pessoas em habitação alternativa para cumprir isolamento
A ministra da Saúde afirmou que já há casos de pessoas na Grande Lisboa a quem está a ser assegurada uma habitação alternativa por não terem condições para cumprir o isolamento por covid-19.

"Já há pessoas nessa situação", afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa diária de balanço sobre a pandemia em Portugal, quando questionada pela agência Lusa sobre se já havia casos em que o Governo estava a assegurar uma alternativa para moradores sem condições para cumprir o isolamento.

Sem precisar o número de casos concretos nessa situação, a ministra afirmou que estruturas como Pousadas da Juventude, espaços do Inatel ou estruturas de campanha estão "disponíveis para acolher essas pessoas", tal como já foi feito para assegurar uma alternativa para residentes em lares onde houve surtos de covid-19.

Apontando para o exemplo da Amadora, que visitou esta manhã, a ministra salientou que, no concelho, a Cruz Vermelha já tem disponíveis "cerca de uma centena de camas para esse efeito" e que serão utilizadas caso seja necessário.

O Governo anunciou na sexta-feira que vai criar um plano de realojamento de emergência para as pessoas que vivam em habitações precárias e sobrelotadas na Área Metropolitana de Lisboa.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Portugal X questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)