Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Bastonário entende que médicos têm "vários motivos" para aderir à greve

Falta de profissionais, o desgaste e a desmotivação fazem aumentar a possibilidade de cometer erros.
Lusa 29 de Junho de 2019 às 09:30
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos
Médicos
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos
Médicos
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães
Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos
Médicos

O bastonário Miguel Guimarães considera que os médicos têm "vários motivos" para aderir à greve agendada para terça e quarta-feira, frisando que o Ministério da Saúde não tem tratado bem os seus profissionais.

Em entrevista à Lusa, o representante dos Médicos entende que as reivindicações profissionais se centram "essencialmente no doente e na qualidade da Medicina e dos cuidados" prestados.

A falta de profissionais, o desgaste e a desmotivação fazem aumentar a possibilidade de cometer erros, além de aumentarem a conflitualidade entre médicos e doentes.

"Os médicos têm vários motivos para protestar e aderir à greve. A ministra da Saúde não tem sido educada com os médicos. A ministra não cumpre a primeira regra básica de gestão, que é tratar bem os profissionais e não o faz sobretudo com os médicos e com os enfermeiros", lamenta Miguel Guimarães.

O bastonário refere que as várias reivindicações que os médicos têm apresentado "não têm sido satisfeitas", sublinhando que os profissionais trabalham muitas vezes "sem segurança clínica e sem garantias de qualidade".

A greve de 02 e 03 de julho foi decretada, respetiva e concertadamente, pelo Sindicato Independente dos Médicos e pela Federação Nacional dos Médicos.

Os sindicatos argumentam que, cinco anos após a saída da 'troika', "o Governo mantém para o SNS e para os médicos a austeridade que disse ser temporária".

"Com isso, os médicos trabalham mais horas na urgência e têm listas de utentes maiores. Os serviços estão à beira da rotura devido à falta de profissionais e de equipamento. Os doentes esperam meses ou anos por consultas e cirurgias", refere a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) numa "carta aos utentes".

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) considera que os profissionais foram compelidos à forma constitucional mais dura de luta e protesto" por um Governo "intransigente"

"O Governo é responsável pela desorganização em que se encontram as urgências hospitalares, a desarticulação de serviços de saúde, a decadência acelerada em que se encontra um dos serviços sociais de maior importância e coesão social da democracia portuguesa: o SNS", refere o SIM.

Ver comentários