Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Cascais quer explorar forte onde caiu Salazar

Presidente da câmara ameaça com providência cautelar. Integra lista de 190 edifícios que o Estado pretende rentabilizar.
João Saramago 15 de Setembro de 2019 às 09:41
Forte de Santo António da Barra, no Estoril
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
Manuel Marques terá confessado que “o doutor Salazar era muito educado, mas muito cabeça no ar”
 Obra é reeditada vinte anos após a primeira edição
Forte de Santo António da Barra, no Estoril
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
Manuel Marques terá confessado que “o doutor Salazar era muito educado, mas muito cabeça no ar”
 Obra é reeditada vinte anos após a primeira edição
Forte de Santo António da Barra, no Estoril
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
António de Oliveira Salazar liderou o Estado Novo português
Manuel Marques terá confessado que “o doutor Salazar era muito educado, mas muito cabeça no ar”
 Obra é reeditada vinte anos após a primeira edição
O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, esclareceu, este sábado, que a rentabilização do forte de Santo António da Barra terá de ser feita pela autarquia, ameaçando com uma providência cautelar caso o Ministério da Defesa entregue o imóvel a uma outra entidade.

"A câmara estabeleceu um acordo com o ministério para a recuperação do edifício, tendo aplicado 600 mil euros em trabalhos de limpeza e manutenção. Este investimento permitiu abrir o forte à população, tendo já sido visitado por milhares de pessoas", esclareceu o autarca.

O protocolo permitiu abrir desde o ano passado o forte, onde em 1968 o antigo chefe do Governo, Oliveira Salazar, caiu. Em fevereiro do próximo ano o protocolo chega ao fim caso não haja interesse na renovação. O forte integra uma lista de 190 imóveis que o Estado pretende rentabilizar. No caso do forte de Santo António da Barra não haverá venda, segundo apurou o CM. Carlos Carreiras disse que o risco de a câmara perder a gestão de um imóvel do Estado não se limita ao forte.

"Há outros imóveis, sendo que o mais representativo é onde está a estação rádio-naval, na fortaleza de Nossa Senhora da Luz, que tem no seu interior a torre de Santo António, a construção mais antiga existente no concelho", disse.

O presidente da câmara esclareceu ainda que há um diferendo com o Ministério das Finanças sobre as rendas relativas ao terreno onde está o Clube Naval de Cascais, em que a autarquia recusa pagar os valores definidos pelo anterior Governo.

SAIBA MAIS
Século XVI
O forte de Santo António da Barra, no Estoril, foi edificado em 1590, por Filipe II de Espanha, durante a ocupação filipina. Integrou o sistema de defesa marítima de Lisboa e foi vital na Restauração (1640). ´~

3
de agosto de 1968: António Oliveira Salazar sofreu uma grave lesão cerebral após cair de uma cadeira de lona, no forte. Este episódio marca o início do fim do Estado Novo.

Local de férias
A fortificação foi utilizada durante o Estado Novo como residência de férias de Salazar. Após a queda, foi afastado do poder, sem tomar consciência da decisão. Morreu em 1970.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)