Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima

Pessoas seguram cartazes onde se lê "sobrevivência não é utopia" e "gás, petróleo e carvão debaixo do chão".
Lusa 25 de Setembro de 2020 às 18:01
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas marcham em vários pontos do país pelo clima
Centenas de pessoas, na sua maioria jovens, iniciaram esta sexta-feira pelas 17h00 uma marcha no centro de Lisboa a exigir novas políticas para o ambiente.

Com cartazes onde se lê "sobrevivência não é utopia" e "gás, petróleo e carvão debaixo do chão" a marcha iniciou-se na Praça do Marquês de Pombal e vai terminar no Rossio com discursos de várias organização de defesa do ambiente.

Criadas inicialmente pela jovem ativista sueca Greta Thunberg, que iniciou sozinha uma greve às aulas às sextas-feiras exigindo medidas para combater as alterações climáticas, este tipo de ações, as chamadas greves climáticas estudantis, acontecem no mundo inteiro e também em Portugal.

Na base da ação desta sexta-feira está o mesmo apelo do movimento "Friday´s for Future", também criado por Greta Thunberg, que em Portugal teve eco no movimento Salvar o Clima, uma plataforma que junta várias organizações que organizam as ações.

Jovens de Coimbra na rua para que ambiente não saia da agenda em tempo de pandemia

Um grupo de jovens também se juntou esta sexta-feira, em Coimbra, numa ação integrada na "mobilização climática global", para garantir que o clima não sai da agenda política, mesmo em contexto de pandemia de covid-19.

Cerca de 30 a 40 jovens, com máscaras e distanciados entre si, concentraram-se hoje no Jardim Botânico e seguiram até à Praça 8 de Maio, gritando palavras de ordem como "Não há planeta B" e "Mudem o sistema, não mudem o clima".

Nos cartazes e tarjas que envergavam, podia-se ler "O Capitalismo não é verde", "Portugal sem furos" ou "Não à mina, Sim à vida".

"A situação da covid-19 é um facto, mas as alterações climáticas são uma agenda de todos nós. É extremamente urgente falar desta causa, com ou sem covid-19, porque está presente no nosso dia-a-dia e estará presente nas nossas vidas futuras", afirmou à agência Lusa um dos organizadores da ação de Coimbra Cláudio Estrela.

Para o jovem estudante na Universidade de Coimbra, é "extremamente essencial" o regresso às manifestações, por forma a mostrar que os jovens "voltaram à rua".

"A urgência deste assunto é muito grande. Não nos podemos esquecer das alterações climáticas, mesmo com esta situação de pandemia", vincou, considerando que as diferentes manifestações que ocorreram um pouco por todo o país também servem para garantir que as alterações climáticas não saiam da agenda do Governo.

Cláudio Estrela vincou que este tema "tem que ser uma prioridade para os governantes, em tempo de pandemia ou não".

Lisboa Portugal Greta Thunberg ambiente
Ver comentários