Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Centenas de pessoas reuném-se no centro histórico de Guimarães para assinalar arranque das festas nicolinas. Veja as imagens

Noite do Pinheiro costuma juntar milhares nas ruas para participar no cortejo que abre as seculares festas dos estudantes.
Aureliana Gomes 29 de Novembro de 2020 às 18:46
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães
Centenas de pessoas reunidas no cortejo ao monumento nicolino em Guimarães

Centenas de pessoas juntaram-se este domingo de manhã no centro histórico de Guimarães para assinalar o arranque das festas nicolinas. Num ano normal, esta seria a noite do Pinheiro. Devido à pandemia da Covid-19, a festa foi cancelada mas esta manhã os nicolinos aproveitaram o facto de não haver recolhimento obrigatório para se juntarem.

Centenas de pessoas juntaram-se no centro histórico vestidas a rigor, de gorro vermelho na cabeça e com caixas e bombos para assinalar a data, aproveitaram o facto de parte da manhã não haver recolhimento obrigatório para fazer a festa da forma possível.

Apesar de não serem permitidos ajuntamentom, foram muitos os que não quiseram deixar passar em branco a festa com séculos de história, sempre sob o olhar atento de elementos da PSP.

O distanciamento não foi cumprido e, por volta do meio-dia, a comissão das Festas Nicolinas iniciou um cortejo até ao monumento Nicolino. Não houve junta de bois, nem a árvore foi enterrada – como acontece todos os anos -mas ouviu-se o rufar dos bombos e caixas de centenas nicolinos que quiseram assinalar a tradição secular na cidade de Guimarães.

 

Guimarães Pinheiro Covid-19 artes cultura e entretenimento questões sociais política festividades
Ver comentários