Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Compressão de nervo causa sensação de formigueiro

Formigueiro manifesta-se inicialmente ao nível do polegar, indicador, do dedo grande da mão e do anelar.
Cláudia Machado 11 de Agosto de 2018 às 12:07
Dor de pulso
Dor de pulso
Dor de pulso
Dor de pulso
Dor de pulso
Dor de pulso
Os principais sintomas do síndrome do canal cárpico "correspondem a formigueiros ao nível do polegar, do indicador e do dedo grande da mão e metade do dedo anelar". São estes os primeiros sinais de que há uma compressão do nervo mediano, localizado ao nível do punho, numa passagem estreita que segue dessa área até à mão. E, sem o devido tratamento, podem surgir a dor e a falta de força.

"No início, as sensações de formigueiro não são constantes, mas sim intermitentes", explica ao CM Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética.

À medida que a situação se agrava, "os sintomas são mais intensos e já não desaparecem completamente", alerta a médica cirurgiã. "No próprio canal cárpico, que se localiza na base da mão, ao nível da separação entre a palma e o punho, pode surgir dor", refere Ana Silva Guerra, acrescentando que "é frequente associarem-se queixas de falta de força da mão".

A causa deste síndrome "muitas vezes não é identificada", mas a compressão do nervo "pode acontecer por variadas razões", como devido à retenção de líquidos ou a traumatismos prévios naquela zona.

Cirurgia em ambulatório alivia de imediato     
O tratamento do síndrome do canal cárpico é realizado de forma cirúrgica. "A cirurgia é realizada em ambulatório e demora entre 30 a 60 minutos", descreve Ana Silva Guerra, médica cirurgiã. A intervenção "obriga a um tempo de recuperação mínimo de quatro semanas". A especialista destaca, no entanto, que "o alívio sintomático é imediato" para o paciente.

Diagnóstico baseado na observação      
O diagnóstico do síndrome do canal cárpico é "fundamentalmente clínico, baseado na história clínica e na observação", explica ao CM Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética.

"Para confirmar o diagnóstico, deve realizar-se um eletromiograma", acrescenta a médica cirurgiã, explicando que este se trata de "um exame que estuda a passagem dos estímulos sensitivos e motores através do nervo".

Discurso direto
Ana Silva Guerra
Médica especialista em Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética
CM - Quem é mais afetado pelo síndrome do canal cárpico?
Ana Silva Guerra – Este problema é relativamente comum, sendo que deve afetar entre 1 e 5 por cento da população. O diagnóstico é feito com maior frequência em mulheres, com idades entre os 45 e os 60 anos.

– O tratamento cirúrgico é a única opção?
– Numa fase inicial, ou no caso de condições temporárias como a gravidez, é possível o alívio sintomático sem cirurgia.

– De que forma podem ser aliviados os sintomas?
– Alterando as condições de trabalho, com menos esforço para a mão afetada, mantendo o punho numa posição neutra, para aumentar o espaço dentro do canal cárpico. Também pode ser feito através do uso de uma tala antipática e com o apoio de terapêutica médica, com a toma de medicamentos anti-inflamatórios.
Ana Silva Guerra Cirurgia Plástica Reconstrutiva Estética saúde especialidades médicas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)