Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Confinamento faz subir vendas de computadores portáteis na UE

Importações de computadores portáteis em Portugal aumentaram nos primeiros sete meses do ano entre 20% e 30% devido à covid-19.
Lusa 23 de Outubro de 2020 às 13:51
Computador
Computador FOTO: Getty Images
Portugal é um dos Estados-membros da União Europeia (UE) onde as importações de computadores portáteis aumentaram nos primeiros sete meses do ano entre 20% e 30% devido à covid-19, com um pico geral em abril, segundo o Eurostat.

De acordo com dados hoje divulgados pelo gabinete estatístico europeu, as importações de computadores portáteis (PC) chegaram a um pico em abril devido às medidas de confinamento - como teletrabalho e telescola - adotadas na maioria dos Estados-membros, face à pandemia de covid-19.

O Eurostat nota que o aumento das vendas destes equipamentos acontecem, em regra, em novembro, tendo sido assim desde 2015, mas, este ano, o recorde aconteceu em abril, com mais de 2,8 milhões de PC importados.

Com um acréscimo de 22% nas importações de PC face ao mesmo período de 2019, Portugal está no grupo de nove Estados-membros em que as importações de PC aumentaram entre 20% e 30% até julho.

O recorde de mais de 30% de subidas nas importações foi registado -- entre janeiro e julho, face ao mesmo período homólogo -- na Roménia (38%) e na Dinamarca (35%).

A Estónia foi o único país que registou um decréscimo (-0,3%)

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 41,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.245 pessoas dos 109.541 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

UE União Europeia Portugal Eurostat
Ver comentários