Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Cuidados nas praias e piscinas: Acidentes com crianças podem ser evitados

Evitar exposição no período entre as 11 e as 17 horas é um dos conselhos a seguir.
Elsa Custódio e Edgar Nascimento 11 de Agosto de 2019 às 09:37
Acidentes com crianças nas praias e piscinas podem ser evitados
Acidentes com crianças nas praias e piscinas podem ser evitados FOTO: Direitos Reservados
A gosto é o mês de eleição das famílias portuguesas para aproveitar uns dias de descanso e as temperaturas elevadas convidam a banhos na praia e em piscinas e, por isso, nunca são demais as recomendações para esta época, sobretudo no que diz respeito às crianças.

"Vigilância" é a palavra - chave para evitar acidentes, segundo a médica Susana Cardoso Moreira. O sol constitui uma das principais preocupações, uma vez que a exposição solar direta não é aconselhável durante o período entre as 11 e as 17 horas, "mas depende de vários fatores como a quantidade e qualidade da radiação ultravioleta (UV)".

Para simplificar, Susana Moreira ensina uma estratégia prática aos pais: consiste na observação da sombra da criança na areia e, quando a sombra é mais pequena ou igual ao tamanho da criança, os raios UV estão a incidir verticalmente e, por isso, são mais elevados - neste caso as crianças não devem estar ao sol.

Se a sombra for maior do que a própria criança, "pode permanecer ao sol", sem esquecer o chapéu de abas largas, óculos de sol e a aplicação de protetor solar "com índice de proteção 50+". No entanto, não basta aplicar apenas uma vez durante todo o dia.

"Deve aplicar-se 30 minutos antes de sair de casa e reaplicar a cada duas horas, ou após os banhos, com atenção para os pés, orelhas e pescoço" explica Susana Moreira. Ir à praia é também sinónimo de marmita e a garrafa de água nunca pode faltar na lancheira.

"A transpiração é maior e há grande risco de desidratação", que é uma das principais causas que levam as crianças às urgências durante o verão.

Conselho da semana
As crianças devem ter aulas de natação nos primeiros meses de vida: além de aprenderem a nadar, boiar e identificar situações de risco, aprendem medidas básicas de segurança e salvamento, fundamentais na prevenção de acidentes.

PRIMEIROS SOCORROS
O esgotamento pelo calor ocorre devido à exposição a períodos de calor intenso, vários dias consecutivos, quando um indivíduo transpira abundantemente. 

Sinais e sintomas de um esgotamento pelo calor
São vários os sinais e sintomas de um esgotamento pelo calor. Fique a saber quais são: Dor de cabeça; cãibras musculares e cansaço; náuseas e vómitos; palidez.

Outros sintomas: alterações da consciência com eventual delírio; respiração rápida e superficial; pulso rápido; diminuição da quantidade de urina.

Como atuar perante um esgotamento pelo calor
Ligue 112; leve a vítima para um local fresco, deite-a e dispa-a; refresque a vítima, passando água à temperatura ambiente pelo corpo, com uma toalha, chuveiro ou esponja; se a vítima estiver consciente ofereça-lhe água, sumos de fruta natural sem açúcar ou bebidas utilizadas para a hidratação dos desportistas; monitorize o estado da vítima.
UV Susana Cardoso Moreira questões sociais saúde política meteorologia autoridades locais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)