Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Desporto ao ar livre motiva à prática de atividade física

Caminhar, correr ou pedalar ao ar livre é mais estimulante do que praticar desporto no ginásio, revela estudo.
Bernardo Esteves 8 de Abril de 2019 às 08:28
Programa Nacional de Marcha e Corrida põe 50 mil por ano a caminhar e a correr
Uso de bicicleta
Caminhada ou corrida são alternativa ou complemento ao treino no ginásio
Eventos de desporto de grupo no exterior são também uma boa opção
Surf (Imagem Ilustrativa)
Natação em águas abertas é um dos desportos de praia
Jogar futebol na praia é um hábito para milhares de portugueses
Programa Nacional de Marcha e Corrida põe 50 mil por ano a caminhar e a correr
Uso de bicicleta
Caminhada ou corrida são alternativa ou complemento ao treino no ginásio
Eventos de desporto de grupo no exterior são também uma boa opção
Surf (Imagem Ilustrativa)
Natação em águas abertas é um dos desportos de praia
Jogar futebol na praia é um hábito para milhares de portugueses
Programa Nacional de Marcha e Corrida põe 50 mil por ano a caminhar e a correr
Uso de bicicleta
Caminhada ou corrida são alternativa ou complemento ao treino no ginásio
Eventos de desporto de grupo no exterior são também uma boa opção
Surf (Imagem Ilustrativa)
Natação em águas abertas é um dos desportos de praia
Jogar futebol na praia é um hábito para milhares de portugueses
Portugal é um dos países da Europa onde se pratica menos atividade física e a situação tem vindo a piorar. Os últimos dados indicam que 74% dos portugueses "raramente" ou "nunca" praticam exercício, valor que em 2009 era de 66%. Segundo estes dados da Direção-Geral da Saúde, apenas 5% dizem praticar regularmente atividade física, valor abaixo da média europeia de 14%.

"Estamos na cauda da Europa, os resultados agravaram-se e é preciso mudar esta realidade", afirma ao CM Pedro Rocha, diretor do Programa Nacional de Marcha e Corrida (PNMC), projeto lançado pelo Estado em 2009 e que permite praticar caminhada ou corrida com apoio de um treinador em mais de 70 centros pelo País. A inscrição custa 10 euros por ano.

É uma boa alternativa à prática de desporto em ginásios, como fazem milhares de pessoas. Um estudo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, concluiu mesmo que fazer exercício ao ar livre provoca "maior satisfação" nos praticantes e faz com que tenham "maior vontade de repetir a atividade física" no futuro. Já os benefícios para a saúde são idênticos, quer o exercício seja praticado dentro ou fora de portas, indicam outros estudos.

"A caminhada ou a corrida são inclusivas, fáceis de praticar e atingem todos os públicos e pessoas com níveis de aptidão diferenciada", afirma Pedro Rocha, sublinhando que "o convívio e as relações sociais que se estabelecem são muito importantes para as pessoas, que assim saem de casa e confraternizam em plena natureza".

Para aumentar os índices de atividade física, o professor Avelino Azevedo considera fundamental apostar na formação logo no 1º ciclo: "Quando chegam ao 5º ano, há alunos que não conseguem sequer andar ou correr em linha reta. Temos de transmitir desde cedo a necessidade ter um estilo de vida ativo". Apesar da redução na prática desportiva, são cada vez mais os locais para praticar desporto ao ar livre e de forma gratuita. Não faltam parques e novos percursos que convidam a sair de casa e fazer desporto.

CONSELHOS 
Atenção à segurança
Praticar desporto fora de portas implica ter atenção à segurança. Escolha zonas com mais gente, onde estará mais seguro.

Cuidado com o sol
Cuidado com as radiações solares quando faz exercício no exterior durante o dia. Use protetor solar e chapéu.

Acompanhado é mais fácil
Sempre que possível tente praticar desporto acompanhado. A motivação mútua torna a prática desportiva mais agradável.

1860 quilómetros de ginásio natural
Para praticar desporto ao ar livre, Portugal oferece condições únicas nas praias. São 1860 quilómetros de costa (943 km em Portugal continental, 667 km nos Açores e 250 km na Madeira) onde se pode praticar surf, bodyboard, natação e muitos outros desportos, aquáticos e não só.

O surf é hoje o rei do desporto de praia em Portugal, estimando-se que haja 200 mil praticantes. Os primeiros passos devem ser dados "numa escola de surf ou acompanhado por um amigo experiente", para poder "decidir se se quer passar à fase seguinte e comprar material próprio", explica Francisco Rodrigues, presidente da Associação Nacional de Surfistas.

Muitos ficam "viciados" ao primeiro contacto. "Tem muito que ver com as sensações que o mar proporciona. Traz calma e equilíbrio às nossas vidas aceleradas", diz o dirigente, que acredita "numa margem de progressão que nos aproxime das grandes nações do surf". "Está aí a primeira geração completa: miúdos de 10 anos que apanham o surf estruturado, com culto de campeões e uma sociedade e famílias que aceitam o surf como normal".

‘Apps’ funcionam como espécie de treinador
Mesmo praticando exercício sozinho e sem supervisão, pode recorrer a uma das várias aplicações informáticas que existem atualmente e que são como um treinador virtual para o orientar.

Aproveitar para caminhar ao sol
As pessoas passam pouco tempo ao ar livre, sobretudo nas cidades, pelo que deve aproveitar todos os momentos para o fazer. Vá a um café distante ou deixe o carro mais longe para caminhar ao sol.

DISCURSO DIRETO
Avelino Azevedo, Conselho Nac. Prof. Ed. Física e Desporto
"Avaliação médica é Importante"
CM – Como professor de Educação Física que opinião tem sobre fazer desporto sem supervisão?
Avelino Azevedo – A atividade física deve ser sempre supervisionada por alguém da área. É também importante que antes de começar se faça uma avaliação médica para saber se se pode fazer a atividade escolhida.

–Mas muitos não têm dinheiro e o País precisa de elevar os índices de atividade física...
– Se a atividade física for caminhar pelo menos 30 minutos por dia, como é recomendado, qualquer um pode fazer por sua iniciativa. Mas quando se entra em esforços mais intensos deve haver acompanhamento nas questões físicas e médicas.

– Qual a atividade física mínima recomendada?
– Pelo menos 30 minutos de atividade aeróbica moderada, como caminhada, 5 dias por semana.

Catarina Morazzo: "O meu objetivo é manter o peso"
Aos 37 anos, a apresentadora continua a ser adepta de desporto e sempre que pode vai ao ginásio.

"Quando estou a trabalhar, consigo sempre organizar-me. Faço treinos particulares, aulas de fitness e body ballet. São um misto de exercícios para postura e tonificação", explica, acrescentando que as caminhadas também fazem parte da sua rotina. "Gosto muito de andar a pé pela cidade. Não me importo de acordar cedo, logo pela manhã, para ir caminhar, principalmente quando o tempo está agradável. Não me custa nada passar horas nisso", revela.

O seu principal objetivo é manter a forma física atual. "Procuro manter o corpo tonificado, não preciso de emagrecer, nem tenho tendência para engordar. O meu objetivo é manter o peso". Para complementar a prática de exercício físico, Catarina Morazzo aposta numa alimentação cuidada. "Não abuso de açúcares, nem de hidratos de carbono e não bebo refrigerantes. Também não como doces, nem salgados", garante. E beber água também é fundamental: "Obrigo-me a andar sempre com uma garrafa na mala para ir bebendo ao longo do dia. Também tenho muito o hábito de beber chá".

Catarina recorre ainda a outro tipo de cuidados com o corpo. " Gosto de fazer massagens e drenagens, não para perder gordura localizada, mas para ajudar a estimular o que o meu corpo, por natureza, já faz".
Ver comentários