Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

DGS diz que é cedo para avaliar se aumento dos casos de coronavírus é reflexo do desconfinamento

Diretora-geral alertou que "não se pode relaxar as medidas".
Lusa 8 de Maio de 2020 às 15:08
Coronavírus em Portugal
Coronavírus em Portugal FOTO: Ricardo Almeida
A diretora-geral da Saúde disse esta sexta-feira que "ainda é cedo" para avaliar o impacto das medidas de desconfinamento nos novos casos de infetados por covid-19, mas apelou aos cidadãos para manterem a precaução e não relaxarem.

Questionada na conferência de imprensa diária sobre a pandemia em relação aos reflexos do desconfinamento nos novos casos de infeção, Graça Freitas respondeu que "talvez seja um bocadinho cedo" para fazer essa avaliação.

"Com desconfinamento ou não, o nosso comportamento tem de ser de precaução, precaução, precaução", apelou.

A diretora-geral alertou que "não se pode relaxar as medidas", justificando que "nos sítios onde há relaxamento das medidas de distância física e de controlo da infeção surgem focos da doença". 

A responsável insistiu que "a doença não desapareceu, o vírus está a circular e apenas uma percentagem mínima da população foi atingida por esse vírus e terá imunidade", motivo pelo qual "todos os que não tiveram a doenças estão suscetíveis ao risco".

Graça Freitas relacionou o aumento médio de novos casos de infeção no país com o surto numa empresa da Azambuja, no distrito de Lisboa, onde existem 101 trabalhadores infetados e outros três casos relacionados, e com a realização de rastreios, sobretudo na região de Lisboa e Vale do Tejo.

"Lisboa e Vale do Tejo está a testar muita gente e, quando se testa, é habitual encontrar-se casos positivos assintomáticos", justificou.

As autoridades continuam a investigar as causas do aumento médio diário de novos casos de infeção, quer a nível nacional, quer em Lisboa e Vale do Tejo, região onde "aparentemente são multifatoriais".

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.114 pessoas das 27.268 confirmadas como infetadas, e há 2.422 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Portugal entrou domingo em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)