Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

EasyJet pretende despedir 4500 trabalhadores

Segunda maior companhia "low cost" da Europa pode cortar 30% dos postos de trabalho.
Jornal de Negócios 28 de Maio de 2020 às 08:11

A EasyJet, segunda maior companhia aérea de baixo custo da Europa, pretende avançar com um plano que passa pelo corte de 30% da sua força de trabalho, o que pode representar a eliminação de 4.500 empregos.

A companhia anunciou o objetivo em comunicado, onde dá conta que vai negociar o plano de cortes com os trabalhadores.

A EasyJet emprega cerca de 15 mil pessoas e tal como as restantes companhias aéreas está a ser fortemente fustigada pela crise provocada pela pandemia da covid-19, que afundou a procura por passagens aéreas.

A companhia britânica estima que no final do próximo ano esteja a operar uma frota com menos 51 aviões do que atualmente e vai também racionalizar as bases que tem na Europa.

Para cortar custos, a EasyJet já suspendeu a encomenda de 24 aviões, o que deverá gerar uma poupança de curto prazo de mil milhões de euros. Para fazer face à escassez de liquidez, assegurou empréstimos de 1,1 mil milhões de euros.

A empresa mantém o plano de retomar uma série de rotas a 15 de junho e já nota sinais de aumento da procura para os próximos dias.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)