Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Estudantes de Lisboa exigem mais polícia e iluminação junto aos campus universitários

Pedido surge na sequência dos assaltos registados na zona e da morte de um jovem.
Lusa 6 de Janeiro de 2020 às 08:29
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Pedro Fonseca tinha 24 anos
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Pedro Fonseca tinha 24 anos
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Cidade Universitária
Pedro Fonseca tinha 24 anos
As associações de estudantes universitários exigiram esta segunda-feira um maior investimento em policiamento e iluminação junto aos campus universitários de Lisboa na sequência dos assaltos registados naquela zona e da morte de um estudante.

Em comunicado, 12 associações de estudantes chamam a atenção para os assaltos que têm vindo a ocorrer na zona do Campus da Cidade Universitária, exigindo por isso um maior investimento no policiamento das faculdades dos campus universitários de Lisboa e das suas imediações.

"Apesar dos esforços da polícia para impedir a criminalidade nesta zona, é fundamental a alocação de mais agentes", alertam.

Os estudantes pedem também um "grande investimento na iluminação do Campus", pois no seu entendimento a falta de luz "gera um ambiente propício a situações de assédio e assaltos no campus".

"São muitas as áreas com falta de iluminação nestas zonas, que geram um clima de insegurança para os estudantes e facilitam ações criminosas", salientam.

As associações dizem estar disponíveis para participar com a reitoria, os órgãos de gestão das faculdades, as forças policiais e a Câmara Municipal de Lisboa "na construção de soluções que garantam a segurança e bem-estar de todos os estudantes".

Este comunicado das 12 associações surge na sequência da morte a 28 de dezembro de um jovem, filho de um inspetor-chefe da Polícia Judiciária (PJ) na reforma, assassinado durante um assalto com arma branca junto à Faculdade de Ciências, no Campo Grande, em Lisboa.

O jovem de 24 anos, que segundo o Correio da Manhã vinha de um restaurante de 'fast food' no Campo Grande, foi assaltado por três homens, que o esfaquearam no corpo supostamente porque a vítima ofereceu resistência.

Em comunicado, as associações de estudantes lamentaram a morte do jovem, salientando que este crime foi o culminar de várias incidências que têm ocorrido na zona do Campus da Cidade Universitária.

"Esta zona da freguesia de Alvalade é conhecida no meio estudantil como palco de recorrente atividade criminosa", referem, acrescentando que nas imediações dos Campus Universitários existem caso de "prostituição, assédio, assaltos armados a carros ou tráfico de drogas".

De acordo com os estudantes, também tem havido relatos de atividade criminosos nos campi da Ajuda e da Alameda.

"O medo e a insegurança não devem entrar na Universidade, que deve ser um lugar em que os estudantes se sentem seguros", sublinham.

O alerta é feito pelas Associações de Estudantes das Faculdades de Direito de Lisboa, de Arquitetura, de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Ciências de Lisboa, de Farmácia da Universidade de Lisboa, de Medicina, Medicina Veterinária, Motricidade Humana, Psicologia e do Instituto de Educação e ainda estudantes dos Institutos Superiores de Agronomia, de Economia e gestão e Instituto Superior Técnico.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)