Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Fábrica de conservas de Peniche com 300 trabalhadores em quarentena

Foram confirmados dois casos de infeção entre os 850 funcionários.
Lusa 5 de Junho de 2020 às 07:22
Peixe de conserva
Peixe de conserva FOTO: Ricardo Almeida
A fábrica de conservas ESIP de Peniche informou esta quinta-feira que tem 300 trabalhadores em quarentena, devido aos dois casos confirmados de infeção entre os 850 funcionários, o que levou o sindicato a exigir mais medidas de distanciamento.

"Atualmente, existem 300 funcionários em quarentena, dos quais 150 devem retornar ao trabalho até 08 de junho", esclareceu à agência Lusa John Merva, diretor da comunicação para a Europa da multinacional tailandesa Thai Union, a que pertence a conserveira European Seafood Investiment Portugal (ESIP), no distrito de Leiria.

A diretora do Agrupamento de Centros de Saúde Oeste Norte, Ana Pisco, afirmou esta quinta-feira à Lusa que "houve outro caso positivo" naquela empresa, já depois do primeiro detetado em 20 de maio.

Por esse motivo, as autoridades de saúde decidiram realizar mais testes naquela indústria do distrito de Leiria, abrangendo mais 190 trabalhadores, tendo sido testados até agora 390 dos 850 trabalhadores.

John Merva adiantou que a empresa já recebeu os resultados dos primeiros 50 trabalhadores testados, nesta segunda vaga de testes, e todos estão negativos, aguardando pelos restantes "até ao final da semana".

Mariana Rocha, trabalhadora da fábrica e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), demonstrou preocupação por "haver trabalhadores a trabalhar na fábrica a menos de um metro de distância", ainda que usem máscara e adotem outras medidas de higienização e proteção.

Também nas salas de refeição, onde têm de tirar a máscara para se alimentarem, estão "a menos de um metro de distância por falta de espaço".

A dirigente sindical, que teme que os casos possam aumentar nesta indústria conserveira, alertou também que a empresa está a contratar trabalhadores temporários, sem os sujeitar a teste, e que há falta de lavatórios para todos os trabalhadores, uma vez que, em alguns setores, a desinfeção com álcool gel não é suficiente para ficarem com as mãos limpas.

Confrontado pela Lusa sobre as críticas do sindicato, o diretor de comunicação para a Europa da Thai Union respondeu que, desde abril, foram criados quatro refeitórios, "reduzindo o número de trabalhadores em cada um e permitindo o distanciamento de um metro".

As medidas, continuou, foram inspecionadas e aprovadas pelas autoridades em maio, antes de terem surgido os casos de infeção.

No âmbito do plano de contingência, a unidade "separou turnos e áreas", o que permitiu confinar o eventual foco de contaminação apenas aos trabalhadores que "estiveram em contacto" com os infetados, por isso, os restantes não necessitam de estar em quarentena.

A indústria conserveira está a efetuar "trabalhos para melhorar as medidas de distanciamento físico e a rever a separação de turnos para garantir a máxima segurança", adiantou.

Desde que foi detetado o caso positivo, a conserveira desinfetou as áreas que foram usadas por esse trabalhador, incluindo salas de descanso, vestiários e áreas laborais.

Dentro do seu plano de contingência, a unidade já tinha adotado a medição de temperatura à entrada de cada turno, o uso de equipamentos de proteção individual, a higienização regular das mãos e o reforço da limpeza.

Na sequência do primeiro caso de infeção detetado em 20 de maio, numa primeira vaga, foram mandados para casa em quarentena e testados 200 trabalhadores, que acusaram negativo, divulgou na segunda-feira a mesma fonte da empresa.

Portugal contabiliza pelo menos 1.455 mortos associados à covid-19 em 33.592 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta quinta-feira.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)