Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Fábrica de Vendas Novas costura 4000 máscaras para hospital de Évora

Empresa é fabricante de capas para estofos de automóveis e aviões.
Lusa 26 de Março de 2020 às 15:09
Hospital do Espírito Santo de Évora
Utentes queixam-se do tempo de espera no hospital de Évora
Hospital do Espírito Santo de Évora
Utentes queixam-se do tempo de espera no hospital de Évora
Hospital do Espírito Santo de Évora
Utentes queixam-se do tempo de espera no hospital de Évora
Cerca de 4.000 máscaras de proteção para entregar ao hospital de Évora estão a ser produzidas, devido à pandemia de covid-19, numa empresa de Vendas Novas (Évora), fabricante de capas para estofos de automóveis e aviões.

"O primeiro dia de produção foi na quarta-feira e tivemos de afinar o processo e as máquinas porque produzimos capas para estofos de automóveis e aviões, é algo completamente diferente", disse hoje à agência Lusa Ana Paula Rufas, responsável dos Recursos Humanos da AUNDE Portugal -- Indústria de Confeção de Capas.

Mesmo assim, já com o processo de costura definido, na primeira jornada, "conseguimos produzir 500 máscaras", mas "hoje já vamos produzir muitas mais", afiançou, exemplificando: "Até às 10:00 de hoje, já tínhamos costurado quase a mesma quantidade" da véspera.

Ana Paula Rufas, que, em conjunto com outras três pessoas, assegura o comité de gestão da AUNDE Portugal, vincou que o objetivo é fabricar "cerca de 4.000 máscaras de proteção para os profissionais do hospital de Évora", que cedeu o material.

"Não temos matéria-prima adequada para este tipo de produtos. O hospital é que nos forneceu o material e as máscaras têm um tecido externo e um interno e levam um elástico, mas, como já acabámos a reserva que tínhamos, agora estamos a usar uma fita, que as prende atrás das orelhas", explicou.

O presidente da Câmara de Vendas Novas, Luís Dias, disse à Lusa ter tido conhecimento, através da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC), "da necessidade de produzir algumas máscaras" para o Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE).

A unidade hospitalar "tinha em 'stock' material, mas estava com dificuldade em encontrar quem costurasse o produto final, necessário para os profissionais de saúde utilizarem e para terem uma reserva estratégica", afirmou.

"No caso de Vendas Novas, temos uma fábrica no nosso parque industrial, cuja profissão é mesmo costurar e, nesse sentido, foram mobilizados estes recursos para a confeção destas máscaras que vão munir o HESE de uma resposta que, de outra forma, não teria em tempo útil", destacou o autarca.

Segundo Luís Dias, a unidade fabril vai produzir as 4.000 máscaras "nos próximos dois dias" para que "todos os profissionais de saúde do HESE tenham o equipamento necessário" e aquele "que mais falta faz neste momento nos hospitais, que são as máscaras".

"Nesta fase somos todos mobilizados a ajudar e esta empresa, a AUNDE, foi excecional com a oferta deste trabalho", elogiou o autarca.

A empresa, de administração turca e parte do grupo multinacional alemão AUNDE, conta na unidade portuguesa com 400 funcionários, dos quais 180 são operadores de costura.

Esta semana não estava a operar, mas acedeu "de imediato" a colaborar no fabrico das máscaras, ao ser contactada pelo presidente da câmara e após reuniões com o HESE, e tem a laborar 26 operadores de costura, disse Ana Paula Rufas.

"Não estamos a cobrar nada. Recebemos o material do hospital e doamos as máscaras. A nossa mão-de-obra é toda por conta da empresa", frisou.

A pandemia de covid-19 "está a afetar o mundo, Portugal e o Alentejo", lembrou, vincando: "Nós ficamos muito contentes de dar o nosso contributo para ajudarmos a travar esta pandemia e a suprir necessidades do hospital".

A pedido do HESE, a AUNDE desenvolveu ainda protótipos de outros equipamentos -- cobre-botas e Cogulas (gorros protetores da cabeça e do pescoço) -, que vai agora submeter a análise do hospital, para ver se cumprem os requisitos técnicos.

"Se o hospital aprovar e como nos mandaram, além de material já cortado para máscaras, também material não cortado, ficamos à espera que nos informem das suas necessidades, para ver se produzimos também estes equipamentos", disse a responsável.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Portugal regista 60 mortes associadas à covid-19, mais 17 do que na quarta-feira, e 3.544 casos de infeção, segundo o boletim epidemiológico apresentado hoje pela Direção-Geral da Saúde. No Alentejo, há 20 doentes diagnosticados, não se tendo ainda registado qualquer morte na região.

Vendas Novas Évora Ana Paula Rufas coronavírus combate coronavírus vírus
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)