Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Gouveia e Melo, o "submarinista" que assume a missão de vacinar os portugueses

Henrique Eduardo Passaláqua de Gouveia e Melo tem estado desde o início da pandemia a preparar e a planear as ações conjuntas das Forças Armadas no terreno.
Lusa 3 de Fevereiro de 2021 às 21:40
Gouveia e Melo
Gouveia e Melo FOTO: Lusa
O novo coordenador da `task force´ do plano de vacinação dedicou mais de quatro décadas da sua vida à Marinha, um "submarinista" que assume agora uma nova missão: vacinar cerca de 7,5 milhões de portugueses contra a covid-19.

O vice-almirante Henrique Eduardo Passaláqua de Gouveia e Melo, adjunto para o Planeamento do Estado-Maior-General das Forças Armadas, tem estado desde o início da pandemia a preparar e a planear as ações conjuntas das Forças Armadas no terreno, nos lares de idosos, nas escolas e em apoio às autoridades de saúde.

O novo coordenador da `task force´, que substituiu hoje Francisco Ramos no cargo, está na dependência do almirante Silva Ribeiro, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), oficial que dirige toda a resposta militar à pandemia sob a coordenação e a tutela do ministro da Defesa Nacional.

Com formação de base como "submarinista" - foi chefe da Esquadrilha de Submarinos, a qual integrou entre setembro de 1985 e até 1992 -, o vice-almirante tem um longo percurso no Ramo.

Henrique Gouveia e Melo, nascido em Moçambique em 1960, ingressou na Escola Naval em setembro 1979 e navegou nos submarinos Albacora, Barracuda e Delfim, exercendo diversas funções operacionais como oficial de guarnição e de comando.

Tem ainda vários cursos de especialização, entre os quais de comunicações e de guerra eletrónica, o que o torna uma autoridade na matéria no Ramo, sendo também especialista em informações.

Foi porta-voz da Marinha e, antes de ser chamado para o EMGFA, era, desde janeiro de 2017, Comandante Naval na Marinha e, antes disso, chefe de gabinete do então Chefe de Estado-Maior da Marinha, almirante Macieira Fragoso.

Como comandante naval da Marinha, foi o responsável pelos trabalhos de recuperação pelo seu ramo em Pedrógão, na altura dos fogos, em 2017.

Hoje, em declarações à Lusa sobre a nomeação do novo coordenador das 'task force', o ex-Chefe-de-Estado Maior da Armada Almirante Melo Gomes disse que "é uma missão de grande significado patriótico, muito difícil e ninguém faz nada sozinho. Precisa de uma equipa que o apoie. Não para seu protagonismo, mas para o interesse nacional, é preciso que todos se entendam sobre este aspeto".

Segundo Melo Gomes, nas alturas mais complicadas, vem à "superfície a necessidade de recorrer a quem sabe e tem condições para exercer os cargos e os militares têm condições para fazer um planeamento adequado, desde que tenham uma equipa. Os militares têm sentido de serviço e disciplina".

Sendo inédito no Portugal recente a nomeação de um militar para funções civis, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo era considerado no meio militar um dos possíveis sucessores do atual Chefe de Estado-Maior da Armada, Mendes Calado, cujo mandato termina em março.

No percurso da sua carreira, Gouveia e Melo foi ainda distinguido com diversas condecorações, como a Ordem Militar de Avis -- Grau Comendador, oito Medalhas Militares de Serviços Distintos, a Medalha de Mérito Militar de 1.ª, 2.ª e 3.ª Classe, a Medalha da Defesa Nacional de 1.ª Classe, a Medalha Militar de Cruz Naval de 3.ª Classe, a Medalha Militar de Comportamento Exemplar -- ouro e, mais recentemente, a Ordem de Mérito Marítimo por parte da Marinha Francesa e a Medalha da Ordem do Mérito Naval -- Grau Grande Oficial, atribuída pela Marinha do Brasil.

Em comunicado divulgado hoje, o Ministério da Saúde esclareceu que a demissão de Francisco Ramos decorre de "irregularidades detetadas pelo próprio no processo de seleção de profissionais de saúde no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa, do qual é presidente da comissão executiva".

Numa declaração enviada às redações, Francisco Ramos acrescentou que as irregularidades diziam respeito ao processo de seleção para vacinação de profissionais de saúde daquele hospital.

Ver comentários