Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Governo acredita em consequências positivas do coronavírus para exportações agroalimentares

Mais cinco empresas nacionais podem exportar carne de porco para a China.
Lusa 5 de Fevereiro de 2020 às 14:09
Carne de porco
Carne de porco FOTO: IStockphoto
A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, acredita que o coronavírus, que teve o epicentro na China, "até pode ter consequências bastante positivas" para as exportações portuguesas do setor agroalimentar para os mercados asiáticos.

À margem de uma visita às empresas portuguesas que participam na Fruit Logistica, a mais importante feira de frutas e legumes, a ministra da Agricultura revelou não ter dados que permitam fazer uma avaliação, acreditando, ainda assim, que as consequências do novo coronavírus até podem beneficiar as exportações nacionais.

"Acho que até pode ter consequências bastante positivas. Ainda assim, não tenho dados que me permitam fazer uma avaliação. Atendendo a que é um mercado emergente, em crescimento explosivo, temos de preparar-nos para corresponder à nossa ambição que é reforçar as nossas vendas e equilibrarmos a nossa balança comercial", sublinhou Maria do Céu Albuquerque em declarações aos jornalistas.

O Governo anunciou em 09 de janeiro que mais cinco empresas nacionais podem exportar carne de porco para a China, juntando-se assim aos quatro operadores que já tinham recebido luz verde.

Questionada sobre o aumento da confiança da carne de porco portuguesa, face à propagação do coronavírus, a ministra da Agricultura confirmou.

"É verdade. A Ásia e a China têm um problema de saúde publica, nomeadamente com a peste suína africana, e também isso se veio a demonstrar enquanto um potencial para promover as nossas exportações (...) São mercados muito exigentes, do ponto de vista da criação e verificação das condições legais, mas também do próprio produto (...)", revelou a governante.

"Aquilo que fazemos, através da Direção Geral de Alimentação e Veterinária é um trabalho de grande proximidade com o apoio do AICEP para podermos continuar a promover os nossos produtos lá fora", acrescentou.

Na Fruit Logistica participam 32 empresas portuguesas. Metade da comitiva chinesa cancelou a sua presença na feira que começou hoje e termina na sexta-feira.

A China elevou hoje para 490 mortos e mais de 24.300 infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena.

Foram 64 as mortes na China registadas nas últimas 24 horas, segundo as autoridades de Pequim.

A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora da China foi um cidadão chinês nas Filipinas.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infeção confirmados em mais de 20 países, o último novo caso identificado na Bélgica.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Ver comentários